Postagem em destaque

NOVO COMANDO NA GUARDA PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO

Capitão reformado da Polícia Militar, Hugo, já comandou a Guarda Portuária em outra oportunidade No dia seis de setembro, o presid...

quarta-feira, 8 de abril de 2015

0

CHAMAS AUMENTAM NO 7º DIA DE INCÊNDIO NA ALEMOA



Os bombeiros deixaram de tentar combater diretamente o fogo e se concentraram no resfriamento dos tanques.
O incêndio que atinge tanques de combustível no Terminal da Ultracargo, na Alemoa, área industrial de Santos, já chega ao sétimo dia. Na manhã desta quarta-feira (8), por volta das 10 horas, as chamas aumentaram e os bombeiros seguem no combate ao fogo.
Ontem (7) foi divulgado que o grupamento tentará, em uma operação de alta complexidade, consertar nesta quarta dois pontos de vazamento em tubulações da Ultracargo, que estão com focos de incêndio. Para isso, serão utilizadas espumas para o resfriamento dos locais e, em seguida, um bombeiro entrará na área de contenção em meio ao líquido com combustível para tentar efetuar os reparos.
“A estratégia agora é achar um caminho técnico para estancar os vazamentos nas tubulações”, explicou o coronel Marco Aurélio Alves Pinto, comandante do Corpo de Bombeiros no Estado, após nova reunião do Gabinete de Integração realizada na noite de ontem (terça, 7) no Paço Municipal. Na ocasião, apenas um tanque continuava com chamas na parte superior.
Resfriamento
Os bombeiros deixaram de tentar combater diretamente as chamas e se concentraram no resfriamento dos tanques. A alteração foi feita em virtude da constatação de que vazamentos nos dutos da empresa estão alimentando o fogo. O rompimento nas tubulações foi causado em uma das explosões durante o incêndio.
A corporação ainda não utilizou o produto cold fire (fogo gelado, em português), que gera uma espuma especial, importada dos Estados Unidos pela Ultracargo. “O cold fire é eficiente no combate direto ao fogo e estamos analisando o melhor momento para usá-lo, quando não tiver mais vazamento”.
De acordo com capitão Marcos Palumbo, a estratégia de resfriamento ainda continua e certamente ainda é a mais efetiva. "O comando da operação adotará hoje a estratégia de combate às chamas no topo do tanque, utilizando ataque em conjunto com várias frentes, com equipamentos como canhões monitores, caminhões autoescadas e todos os materiais disponíveis".
"Primeiro aplicaremos aquela espuma especial que  tende a diminuir a temperatura. Logo, em seguida, nós aplicamos a espuma normal para fazer uma camada espessa e, ela vai evitar a reguinição das chamas". O motivo é que durante a madrugada houve o avanço significativo dos trabalhos de contenção dos vazamentos. "Nós sabemos que é um comportamento esperado do fogo. Mas vamos evitar que, principalmente na base dos tanques, aconteça isso. Vamos esperar que essa estratégia dê certo para que a gente tenha logo o controle das chamas e também da situação do local".
Oito toneladas de peixes mortos

Oito toneladas de peixes mortos foram recolhidas em um intervalo de apenas 48 horas, em pouco mais de 20 km de extensão. O saldo foi calculado na manhã desta terça-feira (7) por técnicos ambientais da Alpina Biggs, empresa especializada em serviços de combate a derramamentos de petróleo e produtos perigosos. A companhia atua desde domingo na limpeza dos estuários e manguezais que ficam no entorno do Polo Industrial da Alemoa.
Dez embarcações da empresa (que presta serviços à Petrobras) fazem o monitoramento das águas, do trecho que vai do início do Canal do Estuário, na altura das balsas, até a Ponte dos Barreiros, no Mar Pequeno.
A pedido da prefeita cubatense Marcia Rosa, equipes da Terracom também fazem um mutirão de limpeza, por todo manguezal que ladeia a Avenida Beira Mar.
"Desde domingo, retiramos 32 toneladas de lixo e peixes podres que a maré trouxe para nossas margens”, informou o chefe da Divisão de Limpeza Urbana de Cubatão, Edilton Barbosa, que coordenava os trabalhos pessoalmente no local.
Impactos ao meio ambiente
Segundo informações da analista ambiental do Ibama, Ana Angélica Alabarce, o incêndio no terminal de combustível da Ultracargo, na Alemoa, está sendo acompanhado de perto pelo órgão.
“O Ibama não foi convidado para sentar na mesa de crise, mas está acompanhando firmemente. Já entramos em contato com o Ministério da Pesca, que já está tomando algumas providências na região”, explicou.
A analista ambiental não descarta a aplicação de multa à empresa envolvida no acidente. “Com certeza (haverá multa). Ou pelo Estado aplicando, ou por parte do Ibama. De preferência por decreto federal”.
Ana Angélica ressalta ainda que a população deve estar atenta à qualidade dos peixes consumidos. “É preciso olhar se realmente esses pescados não foram contaminados. Estamos orientando para que esse alimento não seja consumido. Não temos uma resposta. A contaminação existiu. Não sabemos até que grau. Não é para ficar apavorado, mas vamos aceitar a situação, que agora é delicada”.
Incêndio afeta terminais

A suspensão do tráfego aquaviário nas proximidades da instalação já impediu a atracação de dez navios, segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a Autoridade Portuária. Um terminal de contêineres já deixou de receber 11.500 caminhões carregados.
De acordo com a Codesp, os cargueiros com a atracação atrasada têm como destino o Terminal de Granéis Líquidos da Alemoa (Tegla), que fica nas proximidades da unidade da Ultracargo. As operações naquela região foram suspensas pela Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) para minimizar riscos de novos focos de incêndio. Não há previsão para a normalização dos trabalhos.
A atracação de cada um dos cargueiros que seguem para o Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita (Tiplan) e ao terminal da Usiminas, em Cubatão, está sendo avaliada pela Autoridade Marítima. Isso ocorre pois os berços das duas instalações ficam no Canal de Piaçaguera, cuja entrada fica em frente à Alemoa. De acordo com o capitão-de-mar-guerra Ricardo Fernandes Gomes, comandante da CPSP, a análise leva em conta, principalmente, a carga transportada nas embarcações. A Autoridade Marítima verifica se o carregamento não pode pegar fogo com o forte calor.
Outra instalação que teve as operações prejudicadas foi a Brasil Terminal Portuário (BTP), especializada na movimentação de contêineres e que fica na Alemoa, ao lado do Tegla e quase em frente aos tanques da Ultracargo. Logo após o início do incêndio, os navios que estavam operando foram retirados e os trabalhos, inclusive a recepção de cargas no pátio, interrompidos.
A empresa retomou as atividades apenas no último domingo, às 19 horas. Mesmo assim, um de seus três pontos de atracação está sendo usado pelos rebocadores que atuam no combate às chamas. A BTP ainda não contabilizou os prejuízos. Mas, desde o início do incidente, seis navios deixaram de atracar em seu cais. Foram 7.200 contêineres que deixaram de ser carregados ou descarregados.

Fonte: Jornal A Tribuna

*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. O nosso papel é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                
*Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES