Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

segunda-feira, 29 de junho de 2015

1

ACP MOVIDA PELO SINTRAPORT CONTRA APPA TERÁ SENTENÇA NO DIA 30 DE JULHO




A tentativa de terceirização da Guarda Portuária pela A.P.P.A. (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina) no meio do ano passado, tinha sido barrada pelo M.P.T. (Ministério Publico do Trabalho), pelo então procurador Dr. Glaúcio. Inclusive virou um Inquérito Civil. (00829 2014 9 0000 00)
No fim do ano passado o Dr. Glaúcio foi promovido a Procurador Chefe do M.P.T.. Em seu lugar ficou o Procurador Dr. Rosivaldo. Em fevereiro deste ano o procurador Dr. Rosivaldo havia arquivado o I.C., por perda de objeto. Uma semana depois a APPA, lançou novo edital de licitação para funções da Guarda Portuária (018/2015).
O Sintraport, junto com as advogadas que os representam, Dra. Adriana e Dra. Fabiane, do escritório de advocacia administrativa Bacellar, procuraram o procurador Dr. Rosivaldo, que na mesma hora propôs a Ação Civil Publica, pelo M.P.T. e Sintraport contra a APPA. O SINTRAPORT conseguiu mandato de segurança do T.R.T. que impediu a licitação.
PJe 0000358-66.2015.5.09.0000
Só que estranhamente, apareceu um Compromisso de Ajuste de Conduta (C.A.C.) do dia 18 de dezembro de 2014. SEM NÚMERO. (não esta no site do MPT-PR, portanto sem acesso público) assinado entre a APPA e o Procurador Chefe Dr. Glaúcio, que em sua clausula quinta, permite o processo licitatório para funções da Guarda Portuária. Este C.A.C. só apareceu quando a APPA tentou derrubar, sem sucesso, a liminar em favor do SINTRAPORT.
Agora, na quinta-feira (19), a tarde, foi a primeira audiência da A.C.P. E pela manhã, o Procurador chefe Dr. Glaúcio, após o termino da audiência do PUCS, informou ao juiz que o MPT estava se retirando da ACP, por entender que o C.A.C., resolvia o assunto.
Portanto, ele assinou um C.A.C. que permite a terceirização da Guarda Portuária, e ele retirou uma A.C.P., assinada por outro procurador (apesar de serem do MPT) contra a terceirização.
Nossas advogadas alegaram, que apesar de o M.P.T. ter se retirado da A.C.P., o Sintraport a manteria, pois com o C.A.C., continuava o risco da terceirização. Objeto da A.C.P.
A juíza manteve a A.C.P., manteve a liminar, abriu prazo de 15 dias para o SINTRAPORT contestar o C.A.C. e deu a data de 30 de julho para a sentença.
Na contestação, o SINTRAPORT pede o fim das tentativas de terceirização da Guarda Portuária e CONCURSO PÚBLICO para Guarda Portuária com data marcada, entre outras.


Fonte: Fanpage Guarda Portuária.

*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.


Um comentário:

  1. INCRIVEL A FACILIDADE DAS LEIS E DOS QUE AS ELABORAM E AS FAZEM SER EXECUTADAS PARA TERCEIRIZAR A GUARDA PORTUÁRIA. MAS, O CONTRÁRIO NÃO ACONTECE.
    SÓ NOS RESTA LUTAR, SEMPRE

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES