Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

1

GUARDA PORTUÁRIA DO PARANÁ COMPLETA 28 ANOS EM LUTA CONTRA TERCEIRIZAÇÃO


Formatura da 1ª Turma de Guardas Portuários na Capitania dos Portos – 1987 (foto: Renato Gabilan)
A Guarda Portuária do Paraná completa 28 anos de atuação enfrentando dificuldades e redução do efetivo. Para registrar a data de aniversário, como é feito todos os anos, a corporação participou de um jantar festivo no dia 26 de setembro, na Chácara dos Portuários com a animação da Banda Hally Gally.
A noite ficou marcada pela homenagem aos GP´s que se aposentaram este ano. Nelson, Júlio, Wapinick e Marcos receberam da Associação da Guarda Portuária do Estado do Paraná (AGPEPR), uma placa de agradecimento aos serviços prestados e pela dedicação à profissão.
“Estamos em um momento difícil”, avaliou o presidente da Associação, GP Elias dos Santos, “Não dá para ser apenas uma comemoração. É tempo de lutar. Passamos por uma redução do efetivo por conta do Plano de Demissão Incentivada implantado pela APPA. Tivemos ainda cortes nos postos de trabalho e nos salários. Agora devemos defender a realização de um concurso público e impedir a terceirização e a precarização das nossas atividades dentro dos Portos” conclui Dos Santos.
A Guarda Portuária, que está atuando nos portos paranaenses, foi contratada por dois concursos públicos, um em 1986 e outro em 2006 e tem atualmente 89 integrantes. Os GP´s tem o porte de arma garantido no art. 6º, VII, da Lei nº 10.826, de 2003, para fazer face às ameaças recorrentes em seus ofícios. Entretanto desde março deste ano a Guarda Portuária do Paraná não está armada porque a Administração não providenciou os trâmites legais para a regularização do porte.
Sindicato
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária do Paraná (Sintraport), Gerson do Rosário Antunes, relata que “mesmo constando na Lei 12.815/2013 o texto que mantém as administrações dos portos como responsáveis pela organização e manutenção da Guarda Portuária, a APPA lançou e mantém editais de licitação para a terceirização”. Segundo Gerson Antunes, o sindicato está atuando juridicamente para anular estas concorrências, “Unidos com a categoria e as corporações de todo o país, vamos conseguir realizar um concurso público e garantir a qualidade da segurança nos portos de Paranaguá e Antonina. A nossa Guarda Portuária contribui para que o Paraná possa projetar-se ao mundo como uma potência econômica e uma terra de abundante produção agrícola”, completa o representante sindical.
Situação
No início de setembro, os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), reunidos em sessão extraordinária reservada do Plenário, após conhecer as denúncias, e ante as razões expostas pela relatora Ana Arraes determinaram que à Companhia Docas do Pará (CDP) cesse as terceirizações de prestação de serviços de vigilância armada e desarmada nas áreas dos portos organizados sob sua jurisdição, em face de sua ilegalidade à vista do art. 4º da Portaria SEP 121/2009 e art. 2º da Portaria SEP 350/2014. Com isso, as corporações de Guarda Portuária em todo o país, esperam que cessem as terceirizações para garantir uma segurança eficiente nas atividades que importem no controle e vigilância de acesso e trânsito de pessoas, veículos e cargas nas áreas primárias portuárias.
Sandro Pereira, guarda portuário e membro do Conselho de Autoridade Portuária (CAP) de Paranaguá, lembra “na votação do projeto de lei da terceirização (PL 4330/04), o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o destaque do Dep. Arnaldo de Sá (PTB) que proibiu a aplicação da terceirização das guardas portuárias vinculadas às administrações dos portos. Agora, a votação no Senado deverá confirmar esta proibição. Junto com o Sintraport, a Federação Nacional dos Portuários, a Câmara Municipal de Paranaguá e as demais Guardas Portuárias do Brasil, nós da Associação da Guarda Portuária do Paraná (AGPPR), lutamos pela realização de concurso público e tentamos impedir um grande erro da APPA: terceirizar atribuições da Guarda Portuária. Com isso vamos também evitar futuros danos ao erário público do nosso Estado.”


Fonte: Assessoria de Comunicação do Sintraport / Correio do Litoral .


*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.





Um comentário:

  1. FORÇA E FÉ COMPANHEIROS DA GUARDA PORTUÁRIA DO PARANÁ.
    TODOS JUNTOS VAMOS SUPERAR MAIS ESSA TENTATIVA DE TERCEIRIZAÇÃO DE NOSSOS POSTOS DE TRABALHO.
    DESISTIR, JAMAIS!
    À LUTA, SEMPRE!

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES