Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

segunda-feira, 4 de julho de 2016

0

PORTO DO SÃO RAIMUNDO VIRA BALNEÁRIO IMPROVISADO


Dividindo espaço com as balsas, barcos e não se importando com a poluição produzida pelas fumaças e óleos das embarcações, populares ignoram as regras e transformam o local em balneário (foto: Diego Janatã)
O Porto de São Raimundo é uma Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte (IP4) e, portanto, não possui Guarda Portuária, que é obrigatória nos portos organizados

Porta de entrada e saída para diversos municípios do Amazonas, o porto do São Raimundo, localizado na Zona Oeste, que, recentemente, passou por uma revitalização, há algum tempo, vem sendo utilizado como balneário público, com música ao vivo e venda de bebidas alcoólicas, aos fins de semanas, sem qualquer tipo de fiscalização ou segurança.
Dividindo espaço com as balsas, barcos e não se importando com a poluição produzida pelas fumaças e óleos das embarcações, populares ignoram as regras impostas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), órgão responsável pelo local, sobre o uso do porto, e usam o espaço para tomar banho e, ainda, comercializar refeições, roupas e acessórios para banho. O balneário improvisado é composto por pessoas que moram próximo ao local e que preferem a comodidade de frequentar um lugar mais calmo, sem a agitação das grandes praias de banho da cidade.
“Moro no São Raimundo e como o porto fica perto da minha casa, decidi trazer as crianças para brincar no espaço. É bem mais calmo e mais seguro do que a Ponta Negra. Muitos dizem que a área é imprópria para o banho devido aos riscos apresentados pelas embarcações, que ficam ancoradas no porto, mas não concordo. Aos fins de semanas, as embarcações ficam paradas, por isso não oferecem perigo”, avalia a dona de casa, Roberta Teixeira.
De acordo com um funcionário do porto, que preferiu não se identificar, a invasão de banhistas e comerciantes começou logo após a entrega do novo complexo, ainda de forma tímida, mas, desde o meio do ano passado, vem ganhando grandes proporções. O pouco de servidores que fazem a guarda do local não tem sido suficiente para impedir a ação dos populares.
“O que está acontecendo aqui no porto, é a mesma situação vista quando ainda não existia ponte e a travessia até o Cacau-Pirêra era feita somente por aqui. Era uma confusão, gente tomando banho, vendendo espetinho, barraca espalhada pela via, lixo e falta de segurança. Hoje, isso se repete aos sábados e aos domingos e, infelizmente, não podemos fazer nada. Apenas duas pessoas ficam na guarita para controlar a entrada e a saída de carros, mas para fiscalizar o uso do porto como balneário não existe. É um problema que ainda trará muita dor de cabeça para a administração. Se nada for feito imediatamente, isso ficará pior que a Ponta Negra, aos fins de semanas”, ressalta o funcionário do lugar.
Ainda segundo o servidor, uma solução para sanar esse problema, vem sendo estudada pelo Dnit, há meses, mas, devido ao agravamento da crise econômica do Estado e do corte de recursos na maioria das pastas, as medidas que estavam sendo planejadas, tiveram que ser reavaliadas, algumas mudadas, para, posteriormente, serem adotadas. O funcionário do porto destaca que não há previsão para que as ações de combate ao uso indevido do local sejam colocadas em prática.
Providências
Questionada pelo EM TEMPO sobre a situação, a superintendência do Dnit, representada pelo coordenador-geral da Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental (AHIMOC), Luciano Moreira de Sousa Filho, por meio de nota, explica que o porto de São Raimundo é uma Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte (IP4) e, portanto, não possui Guarda Portuária, que é obrigatória nos portos organizados, como é o caso do Porto Organizado de Manaus, no Centro.
Ainda segundo o coordenador, na qualidade de IP4, o porto de São Raimundo possui somente agentes de portaria e vigias, sendo assim o acesso de pessoas às suas instalações é permitido. Entretanto, o Dnit já está em entendimento com a Polícia Militar, para melhorar o policiamento no porto do São Raimundo.
A informação do servidor do porto, de que a crise econômica tem afetado o planejamento de ações para combater a invasão descontrolada de banhista no local, também foi confirmada por Luciano. Segundo ele, tal situação registrada há anos, “infelizmente não tem previsão para ser resolvida”.


* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                                                 
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES