Postagem em destaque

CONPORTOS PROMOVE RECADASTRAMENTO DE SUPERVISORES DE SEGURANÇA

Sandro Torres Avelar, presidente da Conportos O objetivo é de manter atualizado o cadastro interno da CONPORTOS e das demais organiza...

terça-feira, 23 de maio de 2017

0

PF REALIZA OPERAÇÃO CONTRA TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS EM 4 ESTADOS




Foram expedidos 20 mandados de busca e apreensão, 18 de prisão preventiva e seis de prisão temporária


Na última sexta-feira (19), a Polícia Federal (PF) realizou uma operação contra o tráfico internacional de drogas em cidades do Paraná, Rio Grande do Sul, Pará e São Paulo. Foram expedidos, pelo Juízo da Vara Federal de Paranaguá, 20 mandados de busca e apreensão, 18 de prisão preventiva e seis de prisão temporária. Até às 17h, 19 pessoas tinham sido presas, uma em Curitiba, oito em Paranaguá, duas em São Paulo, duas em Porto Alegre e cinco em municípios do Pará. Um mandado de prisão foi cumprido em Cascavel, o alvo, no entanto, não foi localizado. Três dos detidos foram presos em flagrante.
Entre os presos estão um ex-diretor do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá e o irmão dele, que é diretor de um tradicional clube esportivo e um funcionário comissionado da prefeitura.
Segundo a Polícia Federal, Renan de Andrade Britto Barbosa é Superintendente de Assuntos Governamentais da Prefeitura de Paranaguá. Considerado foragido no início da manhã, Renan Britto acabou se entregando à Polícia Federal em Curitiba a tarde. Em 2016, segundo o Tribunal Regional Eleitoral, Renan Britto foi um dos doadores de campanha do atual Prefeito. Ele possui amizade com outros membros do governo municipal.
De acordo com as investigações, os entorpecentes eram enviados para a Europa através de portos brasileiros. Os envolvidos devem responder por crimes como tráfico e associação para o tráfico internacional de drogas.
O nome da operação, batizada de Flashback, é uma referência ao fato de que o modus operandi utilizado pelos investigados é recorrente nos portos nacionais, inclusive já identificado com a prisão de diversos envolvidos em operações realizadas pela Polícia Federal em Paranaguá há alguns anos (operações Deadline e Safira).
Os presos em Paranaguá foram levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. Os demais ficarão à disposição do juízo de cada estado.
Porto Alegre-RS


Em Porto Alegre, os policiais federais apreenderam uma arma escondida dentro de um livro durante operação realizada no bairro Sarandi, Zona Norte de Porto Alegre.
A PF gaúcha informou que foram realizadas duas prisões preventivas. Na casa de um dos presos, foi cumprido um mandado de busca, onde a pistola foi encontrada. Ela estava em ocorrência de roubo. Um veículo também foi apreendido. Não foram repassados detalhes sobre os presos.
Pará


No Pará, a operação foi realizada nos municípios de Belém, no distrito de Mosqueiro, Ananindeua e Abaetetuba.
Foram expedidos, ao todo, quatro mandados de busca e apreensão e quatro de prisão preventiva nos municípios de Belém, no distrito de Mosqueiro, Ananindeua e Abaetetuba. Todos os mandados foram cumpridos, com apreensão de armas e dinheiro no distrito de Mosqueiro.
São Paulo
Não houve nenhuma divulgação da ação realizada no estado de São Paulo.


Flashback
Há exatos cinco anos, em maio de 2012, quinze pessoas foram presas em Paranaguá, em outra operação da Polícia Federal – chamada à época de Operação Deadline. Ao todo 25 pessoas foram presas, entre elas três bolivianos, em uma operação que contou com 105 policiais.
A PF investigava a quadrilha desde novembro de 2011 e já havia apreendido 129 quilos da droga durante as investigações – 21 quilos no Porto de Rio Grande (RS), 38 quilos no Porto de Valência, na Espanha, e 70 quilos no Porto de Antuérpia, um dos maiores do mundo, na Bélgica.
Em Paranaguá foram apreendidos 11 veículos, duas motos, U$ 66 mil, R$ 3 mil e uma lancha. As apreensões feitas em Paranaguá chegaram perto dos R$ 3,5 milhões.
Segundo as investigações, a cocaína era fabricada na Bolívia e saía por via terrestre para o Paraguai. De lá cruzava a fronteira brasileira em direção ao interior de São Paulo, local em que os traficantes negociavam a venda da droga para os países da Europa e da África.
Quando já havia um destino negociado, a cocaína seguia para o Porto de Paranaguá. Na cidade funcionava o esquema de “inteligência” do tráfico. Algumas pessoas tinham informações privilegiadas sobre a saída das cargas e facilitavam o despacho da droga.

Quando identificava alguma carga que seguiria para o país de destino da droga, a quadrilha esperava que o caminhão fosse carregado com o contêiner e no meio do caminho desviava a rota do veículo para um terreno baldio. Lá, tirava o lacre do contêiner e o recheava com droga. Depois, o caminhão seguia em direção ao porto normalmente.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                            
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES