Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

0

PORTO DO PÓ: PCC E MAFIOSOS DOS BALCÃS DIVIDIAM O MESMO DOLEIRO



Policial que atua na área diz que o método de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio usado pelos traficantes é o mesmo que o de políticos corruptos

O sérvio Miroslav Jevtic, de 28 anos, conhecido como Felipe, atuava como braço direito de Bozidar Kapetanovic, o Judô. Morador do Campo Belo, bairro de classe média alta em São Paulo, Felipe também foi preso na Operação Brabo.
Mas Felipe já estava na mira dos policiais civis que investigavam o crime organizado.
Tudo indicava alguma conexão entre o sérvio com outro grande fornecedor de cocaína do crime organizado: Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, preso pela Polícia Federal em julho do ano passado. Após sua prisão, os policiais perderam o rastro de Felipe.
Cabeça Branca apareceu na lista de procurados da Interpol e chegou a ser o procurado número um da Polícia Federal brasileira. Para passar despercebido, ele fez diversas plásticas e mudou diversas vezes a aparência ao longo dos últimos 30 anos.
Na prisão do "Embaixador", como era ele conhecido, a polícia também encontrou e apreendeu mais de dois milhões de dólares e uma tonelada e meia de cocaína. Parte dela teria como destino a Itália.
Um policial que atua na área e não quer ser identificado explica que é normal as quadrilhas terem grandes fornecedores em comum ou até mesmo usar o mesmo esquema de lavagem de dinheiro.
Devido ao grande volume financeiro que movimentam, o crime organizado optou pelo uso de doleiros para receber o pagamento pelas drogas no exterior e, quando necessário, sacar o dinheiro em reais ou dólares no Brasil.
O método é o mesmo usado para lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio de políticos corruptos e grandes sonegadores. Um doleiro inclusive foi preso na Operação Brabo, acusado de lavar dinheiro diariamente para Judô, o sérvio da Baixada.
Em junho deste ano, a polícia prendeu o doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha na Operação Efeito Dominó. Rocha é delator da Lava Jato e trabalhava com o doleiro Alberto Youssef.
A prisão do doleiro foi desdobramento da prisão de Cabeça Branca. Os policiais federais descobriram que ele era o responsável pela movimentação de grandes quantias de dinheiro do traficante no exterior e no país.
A polícia identificou um dos métodos que o doleiro usava para providenciar notas de reais para o traficante: a entrega de um carro com chave e tudo carregado com mochilas no porta-malas contendo R$ 500 mil em espécie.
O carro foi entregue para um auxiliar de Cabeça Branca em um shopping de alto padrão na região oeste de São Paulo.
A presença rotineira dos doleiros na lavagem e ocultação do dinheiro do PCC também foi detectada pelo Denarc que recentemente apreendeu a contabilidade da facção na Baixada Santista.
Nas planilhas, a polícia encontrou dados deste ano e do ano passado, com valores mensais sendo repassados aos doleiros. Há informações detalhadas: gastos com carro, combustível e malas para levar o dinheiro até o doleiro.
No documento, ainda consta que foram enviados cerca de R$ 40 milhões para o doleiro entre junho e dezembro do ano passado. O dinheiro seria proveniente da receita da venda de drogas em “biqueiras” no litoral sul e São Paulo.
Outro lado
Em nota, a defesa do piloto Rogério Antunes afirmou que tanto no caso conhecido como “helicoca”, quanto no caso da aeronave apreendida em Arujá, o piloto aceitou as propostas de voo em virtude da profissão. Além disso, ambas chamadas foram em caráter de urgência e que Antunes “desconhecia qualquer indício de ilicitude”.
Por fim, a nota diz que “tanto em um caso como noutro, não surgiu e não surgirá, nenhuma prova de que Rogério tivesse qualquer relacionamento antecedente com as pessoas efetivamente envolvidas no ilícito”.

Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                             
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                          

                   COMENTÁRIOS                             
Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES