Postagem em destaque

EMPRESÁRIOS SUSPEITOS DE ENVOLVIMENTO NO TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS FORAM PRESOS PELA POLÍCIA FEDERAL

  O nome dos empresários é informado na solicitação do mandado que consta na decisão judicial que autorizou a deflagração da Operação Além M...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 23 de março de 2020

0

PORTOS DO PARANÁ ADOTAM MEDIDAS DE PREVENÇÃO AO CORONAVÍRUS



Guardas portuários deverão utilizar máscaras de proteção respiratória em tempo integral.
Desde janeiro, a empresa Portos do Paraná, que administra os portos de Paranaguá e Antonina, vem adotando medidas preventivas, principalmente de informação e orientação em relação ao novo vírus. Cartazes em três idiomas (Português, Inglês e Chinês) foram espalhados por todas as áreas do porto e compartilhados com a comunidade pelas mídias digitais, com informações básicas de saúde e higiene.
Os portos de Paranaguá e Antonina também adotam, desde o início do ano, medidas de limpeza e higienização dos acessos. Ficou estabelecido ainda um protocolo diferenciado para embarcações e tripulantes.
Na última quarta-feira (18), a empresa publicou a Ordem de Serviço 064/2020, com as recomendações que seguem o decreto 4230, do Governo do Estado, e demais orientações do Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS).
“Adotamos ações importantes de enfrentamento dessa emergência de saúde pública, de importância internacional, decorrente do novo coronavírus. Entendemos que a prevenção, neste momento, principalmente com o distanciamento social, é fundamental para este combate”, afirma o diretor-presidente da empresa pública, Luiz Fernando Garcia.
Ele acrescenta que as operações serão mantidas e não haverá alterações nas atividades de embarque e desembarque de cargas. “Nestes casos, as equipes envolvidas trabalharão em regime de escala, sem prejuízos à movimentação dos produtos”, destaca. Tanto as operações no mar, quanto a descarga por caminhões, seguem normalmente.
Funcionários do setor administrativo, ou cujas atividades sejam possíveis de trabalho remoto, terão a possibilidade de trabalhar em sistema de home office, seguindo a determinação da diretoria executiva. Os serviços considerados essenciais deverão manter quantitativo mínimo de servidores em sistema de rodízio, através de escalas diferenciadas e adoção de horários alternativos, estabelecidos por cada diretoria e comunicado ao diretor-presidente.
Foi criado um comitê multissetorial que ficará responsável em acompanhar a evolução da doença no País e no mundo. Formado por uma equipe representada por todas as diretorias, o grupo também vai analisar e propor, permanentemente, novas medidas de proteção que se façam necessárias nos portos do Paraná.
Trabalhadores
Todas as viagens estão suspensas, assim como os eventos, treinamentos, reuniões presenciais e simulados de emergência com mais de dez pessoas. Auditorias, visitas técnicas e quaisquer outras visitas à faixa portuária e instalações de empresas também estão suspensas.
Dentro da viabilidade técnica e operacional de cada setor, os atendimentos presenciais ficam interrompidos. Protocolos de documentos, cadastramento de empresas, funcionários e serviços, assim como quaisquer outras consultas ligadas às atividades portuárias, deverão ser feitas prioritariamente via e-mail e/ou telefone. Os responsáveis pelas empresas devem comparecer nos setores somente quando solicitados.
Viajantes
Os colaboradores que retornaram de viagens ao Exterior, em férias ou a trabalho, deverão atuar em trabalho remoto (conforme escala de trabalho), para observação, por no mínimo 14 dias. O mesmo vale para colaboradores que convivem diretamente, na mesma residência, com pessoas nessa situação.
Trabalhadores da mesma equipe que tiveram contato com pessoas que se enquadram como caso suspeito deverão ser direcionados para trabalho remoto até a apresentação de atestado médico no prazo de 48 horas, via e-mail à Seção de Assistência Médica e Social (Seames).
Acesso
O controle de acesso biométrico as áreas alfandegadas estarão dispensados, temporariamente, conforme autorização dos órgãos da Delegacia da Receita Federal e Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos (Cesportos). Permanece, porém, a obrigatoriedade da apresentação de crachá, validação no sistema de controle de acesso e, ainda, documento de identidade pessoal válido no território nacional para o controle de acesso físico, sujeito a conferência pessoal pela Guarda Portuária, a qualquer momento.

A Portos do Paraná também vai flexibilizar os horários de entrada e saída das jornadas de trabalho, analisando a possibilidade de antecipar ou prorrogar estes horários, com objetivo de evitar aglomerações de pessoas nos locais de acesso às dependências do porto, ficando a critério de cada diretoria.
Todas essas ações são recomendados às empresas terceirizadas, operadoras, prestadoras de serviço e demais que atuam nos portos do Paraná.
Exceções às determinações desta Ordem de Serviço são submetidas ao Comitê de Contingências Covid-19 para avaliação. Dúvidas, consultas e contribuições devem ser encaminhadas para a Ouvidoria nos seguintes canais: 0800 41 1133 e ouvidoria.appa@appa.pr.gov.br.
Cuidados
A empresa reforça as medidas importantes que os trabalhadores devem seguir para prevenir qualquer a infecção: lavar as mãos da maneira correta e com frequência; evitar tocar no nariz, olhos e boca; manter as janelas e portas dos ambientes abertas para circulação de ar; e tomar os devidos cuidados para evitar contágio em ambientes públicos.
Uma das novas medidas é aplicada aos trabalhadores responsáveis pelo credenciamento, scanner de bagagens, portaria e vigilância, incluindo os integrantes da Guarda Portuária. Esses deverão utilizar máscaras de proteção respiratória em tempo integral. Aos demais trabalhadores que acessam as áreas alfandegadas o uso da máscara segue recomendado.
A necessidade de higienização intensa das mãos, após contato, continua reforçada. Por isso, a Portos do Paraná disponibiliza álcool 70% nesses acessos e recomenda às demais empresas que também o façam, assim como forneçam as máscaras para os seus.
As embarcações que tenham passado por países onde estejam noticiadas epidemias, com casos confirmados e notificados de Covid-2019, países que venham a ser definidos pela OMS como locais de risco, deverão apresentar o certificado de livre prática emitido pela Anvisa, além de cumprir um prazo mínimo de 14 dias do local de partida até a atracação nos Portos do Paraná.
As embarcações com tripulantes com suspeita do vírus deverão seguir rigorosamente as recomendações dos Boletins Epidemiológicos publicados pelo Ministério da Saúde e demais publicações que venham a compor os protocolos de atendimento estabelecidos pelos órgãos estaduais e federais de saúde e vigilância sanitária, seguindo suas orientações, bem como os respectivos Planos de Controle e Contingência vigentes.
No caso de haver alguma manifestação de sintomas suspeitos e necessidade de remoção para atendimento médico, o agente responsável, antes de proceder com qualquer medida, deverá comunicar o fato formalmente a Anvisa para que esta determine quais os protocolos de atendimento adequados deverão ser adotados.
Quanto ao asseio das áreas de acesso, a equipe de limpeza segue com os procedimentos de assepsia com álcool 70%.
Normalidade
O diretor de operações da administradora do porto, Luiz Teixeira da Silva Júnior, reforça que, até o momento, a movimentação segue normalmente. “Não vejo, hoje, diferença nenhuma na operação ou na movimentação dos portos. Continuamos operando normalmente. Temos aí um grande número de navios programados e esperados para carregar”, garante.
Novos equipamentos reforçam a higiene dos trabalhadores

Desde a última sexta-feira (20) os trabalhadores que entram no Porto de Paranaguá contam com novos equipamentos para higienizar as mãos. Pias com sabão antisséptico foram instaladas na entrada da faixa portuária. Já no cais, está montada uma estação de higienização, com o sabão que é o mesmo usado em ambientes hospitalares e álcool em gel.
Em caráter emergencial, a Portos do Paraná contratou cinco estruturas extras de banheiros químicos – cada um com pia e torneira internas – que foram instalados ao lado dos quiosques já existentes, com dois banheiros cada ponto, de ponta a ponta, na faixa primária.

“A limpeza e higienização serão realizadas todos os dias, pela própria empresa responsável pelos banheiros. Esta vai permanecer o dia todo prestando assistência necessária. Além disso, vamos disponibilizar uma estrutura exclusiva para o uso do público feminino, durante este período”, afirma o chefe da Guarda Portuária, César Kamakawa, que acompanhou as instalações na noite de sexta.
Conscientização
A empresa pública Portos do Paraná comprou 4 mil litros de álcool em gel 70%, o produto deve chegar na próxima semana. Além disso, foram adquiridas milhares de máscaras e luvas. A parceria com comunidade portuária e a conscientização dos colaboradores é essencial para que os materiais sejam usados de forma correta e responsável.
“Lavar as mãos é tão eficiente quanto usar álcool em gel. Em todo o país, empresas e consumidores encontram dificuldade para comprar o produto, que é uma alternativa, mas não é a única forma de higiene”, lembra o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.
Parceria
A comunidade portuária se uniu para garantir a segurança dos trabalhadores. O Órgão Gestor de Mão de Obra Avulsa do Porto de Paranaguá (OGMO) instalou três pias móveis no prédio Dom Pedro II, no início da noite de sexta-feira.

“Em um momento como o que estamos vivendo, diante da ameaça desse novo vírus, a união é fundamental. Contamos com o envolvimento de cada integrante da comunidade portuária e com as atitudes individuais. É cada um fazendo a sua parte, todos pelo bem comum”, destacou Garcia.
As pias móveis foram disponibilizadas pelo OGMO e pela Frente Intersindical. “É muito importante estarmos juntos. Prevenção é a palavra. Cada um deve fazer sua parte e com todos unidos, fica melhor ainda”, afirma o presidente da Frente Intersindical, João Lozano.
Segundo Shana Bertol, diretora executiva do OGMO de Paranaguá, o órgão vem disponibilizando o álcool em gel para ser utilizado na entrada e saída dos trabalhadores, desde o dia 1º de março. “A falta do produto é notória. Por isso, fomos na busca das alternativas para garantir essa higienização aos trabalhadores”, explica.
Saúde
Segundo o médico do trabalho e responsável pelo atendimento emergencial do OGMO, na faixa portuária do Porto de Paranaguá, Heriberto Westphalen, tudo está sendo feito para minimizar os efeitos da crise na saúde pública.
“Todas as medidas estão sendo tomadas aqui no porto. Lavar as mãos, de maneira adequada, tem mais efetividade na não transmissão dos vírus. Então, teremos profissionais disponíveis para auxiliar sobre a maneira correta de lavar as mãos”, comenta.
Segundo o médico, os hábitos de higiene e saúde devem permanecer em casa e mesmo depois do pico da doença. “É um hábito que deve ser levado para toda a vida. Só tem benefícios”, completa.
Fiscalização
A equipe de segurança dos Portos do Paraná tem reforçado a orientação aos trabalhadores para os cuidados necessários. “Os guardas portuários orientam para o uso de máscaras e higiene das mãos. Outra preocupação é evitar aglomerações na entrada e saída dos turnos”, conta Romeu Canedo, sub-chefe da Guarda Portuária.



A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.