Postagem em destaque

FIQUE EM CASA!

A Guarda Portuária está trabalhando nos portos brasileiros para garantir a seguranças nas nossas fronteiras marítimas. ...

LEGISLAÇÕES

sexta-feira, 22 de maio de 2020

0

A PRISÃO DE ANDRÉ DO REP, APONTADO POR TRAFICAR DROGAS PELO PORTO DE SANTOS


André do Rap é suspeito de administrar a exportação de drogas do PCC (Imagem: Luís Adorno/UOL)

Apontado como um dos líderes do PCC, ele é suspeito de ser um dos homens responsáveis pela negociação direta de cocaína com a máfia calabresa 'Ndrangheta na América do Sul.
Procurado pela Interpol e apontado como um dos chefes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), André de Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap, foi preso na manhã do dia 15 de setembro de 2019, numa mansão localizada no Condomínio Caieirinha, no bairro de Itanema, às margens da BR-101 (Rodovia Rio-Santos), em Angra dos Reis, na Costa Verde do estado do Rio de Janeiro. Ele os demais detidos estavam dormindo quando a polícia chegou à mansão, por volta das 6h30.
"Não tinha armamento. Ele se dizia empresário para todo mundo. Tinha assim, vários empregados, tinham três marinheiros, tinha muita bebida, muita comida, uma fartura total, estava com várias mulheres lá. mas não havia festa nenhuma. Chegamos lá e eles tinham acabado de acordar", disse o delegado Fábio Pinheiro, da Divisão Antissequestro do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope), que coordenou a operação.



Na residência, foram apreendidos um helicóptero preto e amarelo prefixo PR - ICE avaliado em cerca de R$ 7 milhões, três jet-ski e uma lancha Azimut de 60 pés, avaliada em R$ 6 milhões, que estava ancorada na área da mansão. 



A casa em que ele estava era alugada por 20 mil reais mensais. O contrato foi realizado um ano e meio antes e ainda teria seis meses. Ele Também tinha uma mansão naquela cidade, avaliada na época em 22 milhões. Outro helicóptero cinza com o prefixo PR-PIT e um veículo modelo Tucson foram localizados em São Paulo.



A operação contou com equipes da Divisão Antissequestro do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope); do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e do Grupamento de Operações Penitenciárias Especiais e da Divisão Antissequestro (Gope).
Outros suspeitos detidos
Segundo os agentes do Serviço de Inteligência (P2), do 33º Batalhão da PM de Angra dos Reis, que participaram da operação, além de André foram presos Luciano Hermenegildo Pereira, de 33 anos, morador no Guarujá (SP), Jefferson Moreira da Silva, de 40, também morador no Guarujá. Ambos tinham mandados de prisão expedidos pela Justiça de São Paulo, por tráfico de drogas.
Ainda de acordo com a PM, também foram detidos mais um homem morador em Mariporã (SP), e cinco mulheres moradoras do Guarujá, Santos e Angra dos Reis. Todos foram levados para a capital paulista.
Tráfico Internacional
André do Rap era procurado por tráfico internacional desde 2013, já ficou sete anos e meio preso e tem uma pena de 14 anos por tráfico internacional em aberto. Segundo a Polícia Federal, ele faz parte de uma quadrilha que usava contêineres para transportar cocaína pura para a Europa.



Os entorpecentes saíam de Santos, eram recebidos no Porto de Gioia Tauro, na Calábria, na Itália, na Itália, e distribuídos para todo o continente europeu, África e Cuba. Ainda de acordo com a PF, a droga era colocada em mochilas e sacolas, que eram inseridas nos contêineres por funcionários particulares, sem o conhecimento dos donos das cargas ou dos navios. Além do porto de Santos, ele comandava o tráfico de cocaína no estado do Pará.
A droga seguia junto com um lacre clonado. No local de destino, membros da organização criminosa rompiam os lacres, recuperavam a cocaína e colocavam os lacres clonados, para não gerar suspeitas.
Para o diretor do Departamento de Operações Policiais, Oswaldo Nico Gonçalves, André era um dos líderes do PCC, facção que age dentro e fora dos presídios. Ele substituiu Wagner Ferreira, o “Cabelo Duro” assassinado na porta de um hotel no bairro do Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo, logo depois das mortes de Gegê do Mangue e do Paca, no Ceará.
Para Nico, a prisão de André do Rap atingiu o setor financeiro da facção. "É quebrar as duas pernas, digamos assim. É um impacto financeiro muito grande, ele é o chefe do tráfico internacional. Nós conseguimos quebrar as pernas. Quebrar as pernas financeiramente", afirmou.
Sucessão no tráfico
Antes dele, quem administrava o comércio era Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, então número um do PCC em liberdade. Ele foi assassinado junto a seu parceiro Fabiano Alves de Souza, o Paca, porque, segundo investigações, ambos estavam roubando dinheiro da própria facção.
André do Rap era aliado de Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro, que foi assassinado a tiros de fuzil, como queima de arquivo, porque esteve envolvido nos homicídios de Gegê do Mangue e Paca. Atualmente, André do Rap era apontado como o homem de confiança de Gilberto Aparecido dos Santos - que é o braço direito de Marcola, líder do PCC.
Havia a suspeita, até então, de que André do Rap estivesse vivendo no Paraguai ou na Bolívia, assim como Fuminho, ou que tivesse sido assassinado por seu passado de parceria com Gegê do Mangue e Cabelo Duro. Suspeitava-se também que seu corpo poderia ter sido jogado ao mar, como queima de arquivo.
A investigação
André do Rap teve a prisão temporária decretada em abril de 2014 junto com outros dez suspeitos, após a deflagração das Operações Hulk e Overseas pela Polícia Federal. Ele era apontado como líder do PCC na Baixada Santista, com ligação com traficantes da zona noroeste de Santos e do Morro Nova Cintra.
Foragido desde 2017, a Polícia Civil de São Paulo buscava o traficante internacional havia três meses e recebeu a informação na noite do dia anterior, que havia uma pessoa morando com nome falso em uma mansão em Angra que tinha vendido uma lancha mais velha 30 dias antes por R$ 3,5 milhões e comprado uma lancha de R$ 6 milhões.
A unidade especializada prosseguiu com as investigações sobre o caso e apurou que a embarcação estaria em uma marina na Praia do Saco da Capela.  A embarcação foi apreendida e, em seu interior, foram localizados um espelho de RG em branco e alguns documentos.
Segundo o delegado Fábio Pinheiro, da Divisão Antissequestro do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope), responsável pela operação, o traficante disse a lancha não era dele, e sim de um empresário, no entanto, essa pessoa só tem uma moto CG. Então, como um cara que tem uma moto CG tem uma lancha de R$ 6 milhões? Ele não tem capacidade fiscal para ter essa  lancha. A gente acredita que ele usava esses laranjas para lavar o dinheiro dele, afirmou.
A investigação da Divisão Antissequestro, do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), apurou que a embarcação está registrada no nome de uma pessoa jurídica, a mesma proprietária do helicóptero utilizado pela quadrilha.
'Ndrangheta
De acordo com o delegado Fábio Pinheiro André do Rap é um dos principais líderes do PCC no tráfico internacional de drogas. "Não tem só uma quadrilha. Dentro do PCC tem vários que mandam droga para fora", disse Pinheiro. "Ele a gente acredita que seja responsável por um desses grupos."
As investigações, à época, apontavam que traficantes tinham linha de fornecimento de cocaína entre a Bolívia e São Paulo, e haviam feito uma aliança com o PCC da Baixada Santista para conseguir uma rota para exportar a droga.
André é suspeito de ser um dos homens responsáveis pela negociação direta de cocaína com mafioso italiano Nicola Assisi e o seu filho Patrick Assisi, apontados como correspondentes da máfia calabresa 'Ndrangheta na América do Sul.
Bens apreendidos
Investigações apontaram que André era dono de um sítio investigado pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) em Bertioga.
Posteriormente a justiça autorizou o cumprimento de mandado de busca e apreensão em um apartamento na Avenida Coronel Joaquim Montenegro, em Santos, no litoral de São Paulo, registrado no nome de um dos comparsas do traficante.  No local a Polícia Civil apreendeu um Porsche Macan, avaliado na época em R$ 400.00,00 e uma pistola. André utilizara esse imóvel e o carro em ocasiões que ele precisava pernoitar na cidade, conforme apurado.



Em Santos, em um casarão abandonado no centro da cidade, também foi localizada uma empresa, cujo proprietário é apontado como laranja do esquema ilícito comandando pelo narcotraficante. O suposto empresário também tinham o nome atrelado à lancha de R$ 6 milhões encontrada em Angra dos Reis e que resultou na localização do líder da facção criminosa.
Em Guarujá, os policiais encontraram 44 embarcações uma revenda de barcos. A empresa, atribuída pela polícia ao traficante, tem duas lojas no Guarujá e uma em Ilhabela, ambas no litoral norte de São Paulo.
A Polícia ainda investiga quem são os proprietários dos barcos encontrados. Os funcionários das lojas afirmaram que as lanchas eram comercializadas em sistema de consignação.



A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.