Postagem em destaque

EMPRESÁRIOS SUSPEITOS DE ENVOLVIMENTO NO TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS FORAM PRESOS PELA POLÍCIA FEDERAL

  O nome dos empresários é informado na solicitação do mandado que consta na decisão judicial que autorizou a deflagração da Operação Além M...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

0

INTERPOL PRENDE TRAFICANTE BRASILEIRO NO URUGUAI

 

Ele foi detido com documentos adulterados; ele é acusado de três assassinatos e de liderar uma organização criminosa de tráfico internacional de cocaína.

Preso pela Interpol (International Criminal Police Organization), o traficante brasileiro Hernandes Oliveira da Silva, conhecido como Mike, simulou a própria morte com direito a lápide, homenagens póstumas e documentos falsos. Suspeito de três assassinatos e de liderar uma organização criminosa internacional, ele adulterou sua identidade para despistar as autoridades, mas acabou detido no Uruguai.

Mike foi localizado em Canelones, a 40 quilômetros da capital Montevidéu, no último dia 22 de julho, por agentes do Departamento de Capturas Internacionais da Interpol. Eles encontraram mais de 64 mil dólares e 126 mil pesos uruguaios – cerca de R$ 351 mil na cotação atual – com o criminoso, que se passava por Ruan Cortes da Silva, supostamente natural do Pará. De acordo com informações da Polícia Federal, no entanto, não há qualquer registro desse nome no estado.

Certificado de óbito falso dizia que ele morreu em 22 de junho (Foto: Divulgação Polícia Civil)


Certificado de óbito falso de Hernandes Oliveira da Silva dizia que ele morreu em 22 de junho em Assunção Foto: Divulgação Polícia CivilDocumento aponta causa como infarto por insuficiência respiratória’ (Foto: Divulgação Polícia Civil)

Documentos mostram que Mike teria morrido por conta de um “infarto por insuficiência respiratória” em 22 de junho, na capital paraguaia Assunção. Além do certificado de óbito, duas homenagens a ele foram publicadas na seção de serviços fúnebres de um jornal local, com o intuito de tornar a morte ainda mais crível. Uma das mensagens dizia: “Baixinho, como o chamavam seus amigos e familiares. Seus amigos de Ciudad del Este e Foz do Iguaçu acompanhamos seus familiares em tão triste dor. Que descanse em paz”.

Página do jornal com as homenagens a Hernander Oliveira da Silva Foto: Divulgação Polícia Civil

 “O boato que circulava era de que ele morreu com Covid-19 e que o caixão estava fechado, além desses documentos”, disse a delegada Tathiana Guzella, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) no Paraná. “Faz todo sentido ele ser, em tese, enterrado num país em que não temos acesso para exumar e realizar qualquer perícia”.

A delegada já encaminhou uma solicitação via Interpol ao governo do Paraguai, para obter mais detalhes sobre o contexto da morte forjada. Segundo informações passadas pelas autoridades uruguaias, o traficante foi autuado por crime fiscal ao ser detido com quantias elevadas de dinheiro. Ele cumpre prisão preventiva no país – sem data para acabar.

A Polícia Civil no Paraná investiga Mike desde novembro do ano passado pelo assassinato do ex-policial Samir Skandar e seu funcionário Alvari de Paula Silva. O crime ocorreu em um barracão no Bairro Alto, em Curitiba. No curso das apurações, verificou-se que o suspeito integrava uma organização criminosa de tráfico internacional de cocaína vindo da Bolívia. Ele era apontado como chefe do grupo no Sul do Brasil, por onde a droga passava antes de ser enviada à Europa. De acordo com a polícia, há provas e indícios de que ele estava envolvido no esquema.

O traficante foi preso em março deste ano no município de Itapema, em Santa Catarina, por tentativa de feminicídio – homicídio contra a mulher pelo fato de ela ser do sexo feminino. Assim que soube da detenção, a DHPP pediu a inclusão de um mandado por duplo homicídio qualificado, atendido pela 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Por uma falha no sistema, Mike acabou em liberdade provisória após revogação da ordem que ensejou sua prisão, embora o outro mandado permanecesse valendo. De acordo com a Polícia Civil, o servidor que se equivocou já foi punido.

“Desde então, ele nunca mais foi encontrado. Mike tinha plena ciência da nossa investigação e, por isso, tentou se passar por morto. Ainda não sabemos por quem ele foi assessorado, mas certamente ele teve ajuda para orquestrar tudo isso”, afirmou a delegada.

O mandado contra o traficante foi inserido na difusão vermelha da Interpol, o alerta internacional expedido pela Justiça de países membros. A partir do depoimento de testemunhas, a DHPP recebeu a informação de que Mike costumava passar temporadas no Uruguai, onde teria uma casa, e acionou as autoridades do país. O criminoso foi reconhecido em um veículo e apresentou documentos adulterados à polícia local, mas sua identidade foi confirmada pelas impressões digitais.

“Para completar, a foto que constava na sua identidade falsa era exatamente a mesma da publicação do jornal paraguaio. Ele nem se deu o trabalho de tirar outra foto. As tatuagens também eram as mesmas. Temos inúmeras provas de que ele usava documento falso no nome de Ruan”, disse Guzella.

Mike usava identidade com nome de Ruan Cortes da Silva Foto: Divulgação Polícia Civil

Segundo a Polícia Civil do Paraná, Mike será indiciado por duplo homicídio qualificado e organização criminosa. A Polícia Federal apura outros crimes, cuja investigação segue em sigilo. Ele já havia sido preso por tráfico de entorpecentes, além do caso de feminicídio. Cabe à justiça brasileira solicitar sua extradição. O traficante ainda poderá ser investigado pelas autoridades paraguaias por forjar sua morte, de acordo com a legislação do país.

No dia 20 de julho, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu, em São Paulo, o croata Luka Maric, de 28 anos, comparsade Mike. Ele também estava foragido e era procurado pela Interpol.

O crime

Integrantes da organização de tráfico internacional, Mike e Maric teriam ordenado as execuções de Samir Skandar e Alvari de Paula Silva, assassinados com vários disparos. A polícia descobriu que Skandar foi morto após o grupo, no qual ele havia acabado de ingressar, ter descoberto que ele era policial. As autoridades acreditam que o ex-policial tentou se infiltrar na organização para investigá-la. Em uma troca de mensagens, a polícia verificou que Skandar não cumpriu uma ordem de Mike para sequestrar uma pessoa identificada como “papa-léguas”.

Troca de mensagens entra Mike e o ex-policial Samir Skandar Foto: Divulgação Polícia Civil

Mike ainda é investigado pela morte do sérvio Marjan Jocic, que seria integrante da mesma quadrilha. O corpo dele foi encontrado no dia 4 de maio deste ano, em um lago em Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba. Outras duas pessoas foram presas temporariamente por envolvimento no assassinato dias após o crime. Elas foram soltas no início de junho por decisão da Justiça e vão responder pelo crime em liberdade.

Fonte: Revista Época



Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.