Postagem em destaque

CDRJ É CONDENADA A PAGAR DANOS MORAIS POR NÃO RENOVAR O PORTE DE ARMAS DE UM GUARDA PORTUÁRIO

  O magistrado assinalou que, ao proceder assim, a CDRJ expôs a vida e a integridade física do trabalhador a risco A Companhia Docas do Ri...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

1

TECNOLOGIA PODE COIBIR NARCOTRÁFICO EM CONTÊINERES EM PORTOS

Dispositivos eletrônicos podem ajudar a controlar melhor a movimentação dos contêineres durante o carregamento e o transporte

O crescimento do narcotráfico vem se tornando um problema cada dia maior para os exportadores brasileiros. Criminosos estão rompendo os lacres de contêineres para carrega-los com cocaína e depois os lacrando com um selo clonado.

Já existem no mercado dispositivos eletrônicos modernos e seguros que podem ajudar a controlar melhor a movimentação dos contêineres durante o carregamento e o transporte. Só que essa tecnologia é muito pouco usada no Brasil.

Os lacres eletrônicos que são usados na Índia e na China no combate ao contrabando permitem o monitoramento em tempo real dos contêineres. Em caso de rompimento, a substituição não iria provocar um grande aumento no custo da operação.

“Isso é uma tarifa. É cobrado um valor dos exportadores para ter acesso a esses lacres que os armadores fornecem. A gente sente ainda uma resistência de alguns armadores em permitirem essa troca”, disse Wagner Souza- diretor executivo da ABTTC.

A ação do crime organizado vem sendo um dano também para quem atua no comércio exterior por meio do transporte marítimo. O Jornal da Band mostrou essa semana, com exclusividade, que a MSC, maior empresa de operação de contêineres do mundo, decidiu paralisar por tempo indeterminado as atividades terrestres em toda a América do Sul por causa dos prejuízos provocados pelo avanço do narcotráfico nos portos.

Fonte: Band-UOL


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Um comentário:

  1. Esse problema compromete as exportações brasileiras oriundas de Portos que não tomarem precauções adicionais como os lacres eletrônicos "não clonaveis". A participação dos intervenientes na cadeia logística tais como: os Terminais; os REDEX e as empresas de transporte rodoviário no Programa Operador Econômico Autorizado - OEA, instituído pela Receita Federal também pode colaborar na prevenção do tráfico de drogas pela contaminação dos contêineres com o rompimento dos lacres comuns.

    ResponderExcluir

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.