Postagem em destaque

CDRJ É CONDENADA A PAGAR DANOS MORAIS POR NÃO RENOVAR O PORTE DE ARMAS DE UM GUARDA PORTUÁRIO

  O magistrado assinalou que, ao proceder assim, a CDRJ expôs a vida e a integridade física do trabalhador a risco A Companhia Docas do Ri...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 8 de março de 2022

0

QUADRILHA USAVA PORTO DO RJ PARA DESPACHAR CONTÊINERES CHEIOS DE COCAÍNA PARA A EUROPA

 

Programa Fantástico, da Rede Globo, teve acesso exclusivo a vídeos e áudios que mostram como funcionava essa operação

A Polícia Federal (PF) prendeu integrantes de duas quadrilhas internacionais de tráfico de drogas. No Brasil, os criminosos abasteciam contêineres com toneladas de cocaína, que eram transportadas em navios até países da Europa e da África. O Fantástico teve acesso exclusivo a vídeos e áudios que mostram como funcionava essa operação e revela que a vida de luxo com dinheiro do crime incluía até gastos com cavalos de corrida premiados.

Cristiano Cordova, de 42 anos, é dono de cavalos premiados. Sem levantar suspeitas, participava das principais competições do país e do mundo. Segundo o delegado da Polícia Federal Heliel Martins, Cristiano acompanhava corridas de cavalo no Brasil, nos Estados Unidos e em outros locais, e investia um valor significativo em bens como cavalos de corrida, carros de luxo, imóveis de luxo, aviões particulares.

Cristiano se apresentava como empresário. No cadastro da Receita Federal, ele aparece como sócio de empresas de transporte de carga. O que quase ninguém sabia era o tipo de carga transportada.

“A gente estima que ele pode ter atualmente até 60 cavalos de corrida, sendo que um único cavalo de corrida pode chegar a US$ 500 mil”, diz o delegado Heliel Martins.

O que a investigação comprovou é que a quadrilha chefiada pelo empresário do ramo de transporte terrestre se aproveitava de navios que cruzam o oceano até outros continentes. Depois de escolher o destino da droga, os bandidos usavam uma estratégia muito ousada.

Segundo as investigações, Lindomar Furtado seria o braço direito de Cristiano Cordova. Os dois decidiriam juntos os rumos da organização criminosa.

Em São Paulo, um ex-jogador de futebol foi preso: Alexsandro Marques de Oliveira, campeão carioca pelo Vasco em 2003. A polícia afirma que a função dele era alugar galpões usados pelo grupo.

De acordo com a polícia, primeiro, a quadrilha retirava do porto um container já lacrado com mercadorias legalizadas - tudo isso sem o conhecimento das transportadoras - e depois substituíam parte da carga pela droga. Imagens obtidas com exclusividade pelo Fantástico mostram a ação dos criminosos. Veja como funcionava o esquema na reportagem acima.

A defesa de Lindomar Furtado disse que só vai se manifestar depois de analisar os documentos da investigação.

A advogada do ex-jogador Alexsandro Marques de Oliveira alega que não há provas do envolvimento dele e que a inocência do seu cliente será provada.

Por nota, a defesa de Cristiano Cordova disse que considera desnecessária a prisão preventiva de seu cliente e que os fatos serão, oportunamente, esclarecidos perante o Poder Judiciário.



Fonte: Rede Globode Televisão


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.