Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 22 de março de 2023

0

EQUADOR TRANSFORMA COCAÍNA APREENDIDA EM BLOCOS DE CONCRETO PARA OBRAS

 

O governo equatoriano decidiu usar o método de encapsulamento, no qual a droga é desfeita e misturada com cimento

Os depósitos do Ministério do Interior do Equador estão abarrotados de drogas apreendidas, especialmente porque entram muito mais entorpecentes do que saem para destruição.

Segundo o jornal espanhol El País, em 2021, o departamento antidrogas apreendeu 210 toneladas de substâncias ilícitas e, até setembro de 2022, só conseguiu destruir menos da metade. Ainda em 2021, outras 200 toneladas foram retiradas do narcotráfico em diferentes operações.

O que fazer com tanta cocaína? O governo equatoriano decidiu usar o método de encapsulamento, no qual a droga é desfeita e misturada com cimento até virar blocos de concreto.

O país sul-americano vive uma crise de segurança por ser usado como ponto de apoio dos cartéis mexicanos. O desafio das autoridades é eliminar rapidamente as centenas de toneladas de substâncias ilegais apreendidas para evitar que sejam recuperadas e retornem ao narcotráfico. Normalmente, o método usado pelo governo do Equador é o da incineração, mas não é eficiente para grandes quantidades de entorpecentes.

“A incineração de 70 kg de cloridrato de cocaína leva aproximadamente uma hora, devido às condições químicas da droga”, explica Edmundo Mera, subsecretário da área de substâncias controladas do Ministério do Interior, citado pelo El País. Já por meio do encapsulamento é possível destruir até 1,8 tonelada por hora. Usando fornos, seriam precisas duas semanas para essa mesma quantidade de droga, o que é “270 vezes mais rápido”, diz Mera. Com isso, as autoridades equatorianas conseguiram destruir 369 das 450 toneladas de cocaína em apenas dois anos, usando o encapsulamento.

Esse método consiste na pulverização da cocaína em um misturador industrial junto com cimento, cal, outros resíduos, incluindo medicamentos vencidos, além de aglutinante e aditivo de dureza. O resultado da mistura é o concreto, como explica o subsecretário ao jornal espanhol. Segundo ele, é impossível conseguir extrair a droga do material solidificado.

Mas nem toda a droga apreendida pode ser destruída por esse método. De acordo com Edmundo Mera, a cocaína vendida em papelotes ou pinos (cápsulas) não pode ser 100% pulverizada porque as embalagens são muito pequenas.

Para conseguir realizar o encapsulamento de grandes quantidades de entorpecentes, o governo equatoriano contratou uma das poucas empresas de gestão ambiental autorizadas a realizar o procedimento. O problema é que sua sede próxima fica próxima a Quito e cerca de 80% das apreensões, conforme o El País, ocorre na região portuária de Guayaquil, cidade que fica a oito horas de distância da capital.

Fonte: istoedinheiro


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.