Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

OPERAÇÃO CONJUNTA DA GUARDA PORTUÁRIA E POLÍCIA CIVIL PRENDE HOMEM APONTADO COMO INTEGRANTE DO COMANDO VERMELHO

  Ele tinha um mandado de prisão preventiva pelo crime de associação para o tráfico de drogas Na noite da sexta-feira (26/01), a Guarda Po...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 22 de maio de 2023

0

PORTO DE PARANAGUÁ MUDA NORMAS DE CIRCULAÇÃO DE TRIPULANTES DE EMBARCAÇÕES NO CAIS

 

Deslocamento de tripulantes na faixa primária agora exige uso de EPIs: capacete, colete refletivo e sapato fechado

Os tripulantes de embarcações que acessarem o Porto de Paranaguá devem seguir novas normas de segurança. As mudanças têm o objetivo de proteger os trabalhadores que atuam embarcados e seguem os mesmos padrões já existentes para os trabalhadores do cais: uso dos equipamentos de proteção individual (EPI) e circulação exclusiva pelas faixas destinadas aos pedestres.

Em casos de troca de tripulação, embarque ou desembarque, fica vetada a circulação com bagagens pelos pedestres. O deslocamento, com estes volumes, deve ser feito com veículo adequado e devidamente autorizado, do navio até o Portão 2, no prédio Dom Pedro II, ou vice-versa.

Para os pedestres sem bagagem é necessário caminhar pelas faixas de circulação pintadas em azul, ao longo de todo o cais.

Segundo o gerente de Saúde e Segurança no Trabalho da empresa pública Portos do Paraná, que administra os portos de Paranaguá e Antonina, José Sbravatti, a Autoridade Portuária conta com o apoio das agências marítimas e com a compreensão das tripulações. “É responsabilidade das agências informar os requisitos aos responsáveis pelos navios antes de sua efetiva atracação. E é dever do capitão de cada embarcação providenciar os equipamentos de proteção necessários para a circulação dos trabalhadores”, afirma.

Para armazenar os capacetes, coletes de alta visibilidade e calçados fechados, foram disponibilizados armários no andar térreo do prédio de acesso ao cais. O uso é gratuito e mediante solicitação para a equipe da Guarda Portuária (GPort).

A partir deste mês, o descumprimento das obrigatoriedades vai gerar o bloqueio dos crachás de acesso, de toda a tripulação, por tempo indeterminado, até que o representante da agência marítima responsável pela embarcação siga as orientações e correções necessárias.

Início

Em abril, as agências marítimas ajustaram suas rotinas de comunicação junto aos navios. O período de teste foi alinhado entre a Autoridade Portuária e o Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Paraná (Sindapar).

Foram promovidos 28 eventos de fiscalização, envolvendo 20 embarcações e 11 agências marítimas, totalizando em 112 desvios relacionados à falta de EPIs por tripulantes no Porto de Paranaguá.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.