Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 13 de março de 2024

0

FORÇA-TAREFA REALIZA OPERAÇÃO CONTRA O TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS


O chefe da ORCRIM havia sido preso anteriormente por tráfico internacional de drogas

Na última quarta-feira (6), uma força-tarefa integrada por aproximadamente 130 agentes da Polícia federal (PF) e 20 auditores fiscais e analistas tributários da Receita Federal do Brasil (RFB) realizaram uma operação para o cumprimento de 33 mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária.

Entre as cidades alvo da operação no Paraná estão Curitiba, Tijucas do Sul, Santo Antônio do Sudoeste, Londrina, Loanda, Piraquara, Pontal do Paraná, Campina Grande do Sul, Matinhos, Pinhais e Fazenda Rio Grande.

Em Santa Catarina as ações contaram com apoio da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) e aconteceram em Camboriú, Balneário Camboriú, Itajaí, Barra Velha, Dionísio Cerqueira e Itapoá.

No Ceará, o mandado executado foi de busca e apreensão, cumprido no município de Barroquinha, no litoral Oeste, a 388 km de Fortaleza, quase divisa com o Piauí. A vistoria teria sido numa empresa de construção civil.

Foco da operação

O foco da operação foi a lavagem de dinheiro e o tráfico de drogas. De acordo com a PF, o chefe da organização criminosa (ORCRIM) utilizava de pessoas e empresas "laranjas" para lavagem de dinheiro e bens.

De acordo com a PF, o grupo criminoso utilizava diversas estratégias para dissimular a origem do dinheiro, como negócios com imóveis, veículos, transportes e na área de óleos e lubrificantes.

Segundo a PF a Orcrim tinha negócios na área de oleos e lubificantes - Foto: Divulgação PF

Tráfico Internacional de Drogas

Durante os trabalhos foram identificadas ao menos duas remessas de cocaína vinculadas ao grupo criminoso, sendo uma delas uma apreensão de 704 kg de cocaína ocultos em uma lixeira de metal que seria transportada para o Nordeste do Brasil, provavelmente para embarque com destino ao exterior. A outra se refere a uma apreensão de aproximadamente 945 kg de cocaína no rebocador Áquila que tinha saído do Porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina, com destino ao continente africano da região de Santa Catarina, abordado a 407 km da costa brasileira.

SAIBA MAIS: POLÍCIA FEDERAL APREENDE COCAÍNA EM REBOCADOR NA COSTA BRASILEIRA

Dois homens foram presos na operação

Segundo a PF o chefe da ORCRIM havia sido preso anteriormente por tráfico internacional de drogas e usava documentos falsos para não chamar a atenção das autoridades.

Na operação dois homens foram presos. Um deles na região de Curitiba, no Paraná, é um empresário do ramo de transportes, construção civil e de aluguel de máquinas pesadas. O nome dele não foi oficialmente revelado.

Outro homem foi preso em Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Os dois são suspeitos de comandar um grupo ligado ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Escritório de Contabilidade

A PF e RF realizaram buscas também em um escritório de contabilidade em Curitiba, onde o proprietário é suspeito de criar empresas em nome de laranjas e de auxiliar a organização na lavagem de dinheiro.

Apreensões

As ordens judiciais expedidas pela 14ª Vara Federal de Curitiba autorizaram o sequestro de dezenas de imóveis, contas bancárias e de veículos com suspeita de ligação com a organização criminosa.

Durante a operação em imóveis de luxo, foram encontrados diversos veículos importados, maquinário agrícola, jet-skis e outros artigos de alto valor agregados. Em algumas bolsas encontradas dentro de carros importados foram achados mais de R$ 100 mil em espécie.

Segundo a Polícia Federal (PF) malotes de dinheiro foram localizados escondidos dentro de uma parede falsa em uma casa, alvo da operação no bairro Barigui, em Curitiba. 

Os policiais precisaram usar uma marreta para quebrar o local. A estimativa é que mais de US$ 3 milhões, aproximadamente 15 milhões de reais, estavam escondidos no local.

A estimativa é que foram apreendidos US$ 3 milhões - Foto: Divulgação PF

Investigação

A operação denominada “Follow The Money” (Siga o Dinheiro) foi desencadeada em decorrência de investigação que buscou seguir o fluxo do dinheiro ilícito e identificar o patrimônio e os rendimentos oriundos da atividade criminosa de uma ORCRIM liderada por empresário da região de Curitiba, do ramo de transportes, construção e de aluguel de máquinas pesadas.

Investigação buscou seguir o fluxo do dinheiro - Foto: Divulgação PF

Com o apoio da RFB foram feitas análises fiscais e complexas análises financeiras e patrimoniais dos investigados que abrangeram quase 500 contas bancárias, que movimentaram mais de R$ 2 bilhões entre créditos e débitos nos últimos anos, permitindo reforçar as conclusões do uso de múltiplas empresas para dispersar e ocultar os ganhos ilícitos da organização criminosa.

As investigações apontaram que o chefe do grupo adquiria imóveis para uso próprio em nome de uma imobiliária e de uma empresa de participações, as quais foram responsáveis pela aquisição de ao menos três imóveis de luxo em Curitiba que eram utilizados para moradia.

Segundo a PF o dinheiro oriundo do tráfico era investido em imóveis de luxo - Foto: Divulgação PF

Para a lavagem de dinheiro, o chefe do grupo utilizava-se de dezenas de pessoas e de empresas laranjas. E com o intuito de ocultar ou dissimular a verdadeira propriedade dos bens, adquiria veículos de luxo em nome de pessoas físicas sem capacidade econômico-financeira (laranjas).

As empresas em nome do chefe dessa organização apresentavam declarações de faturamento à Receita Federal, mesmo sem prestar nenhum tipo de serviço ou sem qualquer registro de venda de mercadorias.

Conforme a PF, em uma de suas empresas, foram gastos mais de R$ 8 milhões na aquisição de máquinas pesadas para locação e prestação de serviços, mas ao que tudo indica nenhum serviço era prestado.

De acordo com a PF, uma empresa ligada ao ramo de “atividades esportivas” e em nome de sua companheira, era declarado valores, provavelmente falsos, relativos a prestações de serviços apenas para justificar e dar aparência de licitude a gastos e despesas pessoais do casal que de fato eram suportados com recursos oriundos das atividades criminosas.

O sofisticado esquema de lavagem envolvia compensações de boletos (cobrança bancária) que eram pagos por empresas também ligadas à organização e suspeitas de serem exclusivamente utilizadas para movimentação de recursos ilícitos.

Apenas nos últimos dois anos e em relação a esse núcleo principal, foi apurada a disponibilidade de aproximadamente R$ 18 milhões para gastos pessoais e para aquisições de imóveis veículos e motos sem origem lícita conhecida.

Moto apreendida na operação - Foto: Divulgação PF

Segundo as informações, será apurada ainda a origem lícita ou não dos recursos utilizados para a compra de dezenas de caminhões em nome de empresas ligadas ao grupo criminoso.

Vídeo: TV Cuiabá



A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.