Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

5

DEPUTADO CRITICA VETO A PORTE DE ARMA PARA GUARDA PRISIONAL FORA DE SERVIÇO


SEGURANÇA PÚBLICA PORTUÁRIA/ GUARDA PORTUÁRIA





O veto integral da presidente Dilma Rousseff ao projeto (PL 5982/09) que autorizava o porte de armas fora do serviço a agentes penitenciários e guardas prisionais não foi bem recebido pelo autor da proposta, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). Segundo ele, com o veto, publicado nesta quinta-feira (10), 80 mil trabalhadores vão continuar à mercê de pressões de criminosos nos presídios brasileiros. 

Na opinião de Bolsonaro, o porte de arma garantiria a segurança das famílias de guardas e agentes, ameaçadas constantemente. Esses profissionais têm uma vida muito vigiada. É comum ouvirmos um presidiário falar para um agente penitenciário: olha, você mora em tal endereço, tem uma esposa que se chama tal e três filhos que estudam em tal escola. Se não deixar passar determinado produto para mim, já sabe qual será consequência. Mesmo com essa pressão toda, o agente não pode ter um simples revólver 38 ou uma pistola 380?, indagou. 

O agente penitenciário tem a função de vigiar e garantir o cumprimento das normas do estabelecimento prisional. É o profissional que escolta os detentos e zela pela segurança de funcionários e visitantes no presídio. Atualmente, a permissão para o porte de arma fora do expediente alcança vários setores da segurança pública. Integrantes das Forças Armadas, policiais federais, agentes vinculados à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e à Presidência da República são alguns dos beneficiados. 

Cultura de paz 

De acordo com o Executivo, o veto ao projeto foi baseado em pareceres do Ministério da Justiça e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, que julgaram o texto contrário à política nacional de combate à violência. 


O deputado Luiz Couto (PT-PB), que votou contra o PL 5982/09 na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), concorda com o veto da presidência. Conforme o parlamentar, a aprovação do projeto entraria em contradição com o Estatuto do Desarmamento . 

"Sabia de antemão que a nossa presidente iria vetar porque, não vetando, seria uma incoerência. É claro que o governo não iria dar guarida àqueles que acham que podem resolver a questão da segurança pública com arma. O veto foi o resultado daquilo que o Executivo está fazendo: desarmar e construir uma cultura de paz", disse.


Fonte: Câmara dos Deputados 



5 comentários:

  1. Uma boa de uma FDP, isso sim.

    ResponderExcluir
  2. BANDIDOS UM,TRABALHADORES ZERO.
    QUANDO VÃO DESARMAR OS LADRÕES,PORQUE
    OS TRABALHADORES DA AREA DE SEGURANÇA
    PORTUARIA PODEM DEFENDER O PORTO ARMADOS
    POREM NÃO PODEM DEFENDER SUAS VIDAS APOS O SERVIÇO.

    LUCIO RICARDO NATAL
    GUARDA PORTUARIO
    DIRETOR DO SINTAC
    EM LAGUNA SC.

    ResponderExcluir
  3. É a cultura do PT . Cultura da Paz chamam isso.
    São irresponsáveis. Não conhecem ou agem de má fé com as categorias de guardas portuários e guardas
    prisionais.


    GP ALEXANDRE - ES

    ResponderExcluir
  4. CULTURA DA PAZ ? CULTURA DA LEVIANDADE, DA INCOPETÊNCIA

    ResponderExcluir
  5. CULTURA DA PAZ ? CULTURA DA LEVIANDADE E DA INCOPETENCIA .
    DE UM GOVERNO QUE NÃO CONHECE OU TEM MÁ FÉ COM OS GUARDAS PORTUÁRIOS
    E OS GUARDAS PRISIONAIS.
    UM GOVERNO QUE NÃO CONHECENDO DEVERIA DEIXAR OS QUE SÃO DA ÁREA TRATAR
    DA SEGURANÇA. É TAMBÉM POR ISSO QUE OS BANDIDOS CANTAM O HINO DO PCC NAS
    CADEIAS PAULISTAS E OS AGENTES NADA PODEM FAZER . JÁ TOMARAM CONTA DA CASA.


    GP ALEXANDRE - ES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES