Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS DENUNCIAM DIMINUIÇÃO DO EFETIVO E SUPRESSÃO DE POSTOS NO PARÁ

O quadro caótico vem comprometendo sensivelmente a segurança pública nos portos do Pará No dia 27 de janeiro, uma petição assinada...

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

0

ESTIVADORES DOS EUA REJEITAM PROPOSTA TRABALHISTA



SEGURANÇA PORTUÁRIA / ESTIVADORES



                                                                                                    Porto de Seattle
 

Confronto de trabalho pode prejudicar as exportações da região.

Representante das empresas de navegação não fez comentários.

 

Estivadores em quatro portos do Pacífico dos Estados Unidos votaram pela rejeição a uma oferta de contrato "final" apresentada por carregadores de grãos, disse o sindicato na segunda-feira (24), preparando o palco para um possível confronto de trabalho que pode prejudicar as exportações da região.

Rico Austin, vice-presidente da comissão de negociação do sindicato "Longshore Internacional and Warehouse Union" (ILWU), disse em comunicado que seu lado continua "empenhado em alcançar um acordo justo" e pediu aos exportadores de grãos para "retornar à mesa de negociações."

Não houve comentário imediato do "Pacific Northwest Grain Handlers Association", que representa as empresas de navegação e os seus terminais de grãos .

O impasse nas negociações do contrato e a expectativa de que os trabalhadores rejeitem a oferta mais recente da administração alimentaram especulações de que as empresas de navegação podem mover-se para impor um bloqueio aos sindicalistas e manter com trabalhadores substitutos os terminais de grãos que operam.

O ILWU disse que as empresas de navegação contrataram uma empresa baseada em Delaware, especializada no fornecimento de trabalhadores para substituição em disputas trabalhistas.

A Guarda Costeira disse na semana passada que estava se preparando para estabelecer zonas de segurança para evitar que os protestos de sindicalistas interferissem na navegação em torno de dois dos portos em questão.

 

Fonte: Agência Reuters
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES