Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

0

APÓS PARALISAÇÃO, PORTUÁRIOS FECHAM ACORDO


     Manifestação na frente da Companhia Docas do Estado de São Paulo - CODESP

Após sete horas de paralisação, os trabalhadores portuários de todo o Brasil voltaram ao seus postos, às 13 horas, desta sexta-feira. Eles cruzaram os braços em protesto contra a Medida Provisória (MP) 595, que muda as regras do setor. Em todo o País, 23 mil avulsos de diversas categorias aderiram a greve. Desse total, 8 mil são do Porto de Santos.

Em Brasília, governo e representantes dos trabalhadores portuários firmaram um acordo para suspender as greves nos portos do país até o próximo dia 15 de março, período em que serão negociadas alterações no marco regulatório (MP 595). A negociação foi feita pelo ministro da Secretaria Especial de Portos, Leônidas Cristino.

Segundo o ministro, o governo concordou em suspender licitações dos portos até a data acordada com os trabalhadores, apesar de garantir que não havia licitações previstas até lá. No entanto, disse que os estudos para o início desse processo estão mantidos.

Cristino não descartou mudanças no texto da MP. “Não temos intenção de mudar a essência do texto, mas estamos abertos à negociação”, garantiu. Os representantes dos trabalhadores comemoraram o resultado da greve de hoje e consideraram a paralisação essencial para a abertura de negociações com o governo.

Com o acordo, está suspensa a paralisação prevista para a próxima terça-feira, conforme estratégia aprovada pelos trabalhadores para pressionar o governo. A próxima rodada de negociação ocorrerá na próxima sexta-feira com a participação do relator da MP, senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

Paralisação


Sindicalistas bloquearam a linha férrea


Essa foi a primeira paralisação organizada por trabalhadores portuários por conta da MP 595. Os protestos tiveram início na última segunda-feira, com panfletagem e a invasão do navio chinês Zhen Hua 10 , carregado com equipamentos que serão instalados no terminal da Embraport, em Santos. Na oportunidade, os portuários decidiram cruzar os braços nesta sexta-feira.

No final da noite de quinta-feira, uma liminar do Tribunal Superior do Trabalho (TST) proibiu os sindicatos de paralisarem os portos. Mas, em Santos, a medida foi descumprida porque os sindicatos dizem que não foram avisados.

No Porto de Santos, a greve fez com que 17 navios, dos 20 que estavam atracados, deixassem de operar das 7 h às 13 h. Segundo a Codesp, a operação de três navios foram possíveis, pois o embarque e desembarque é realizado de forma automatizada, sem mão de obra.

Por volta das 9h30, cerca de 50 sindicalistas bloquearam a linha férrea, na altura do Valongo, para impedir qualquer mobilização de cargas.

'Sucesso'

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, presidente da Força Sindical, disse que a greve foi um sucesso.  "Nossa dificuldade era ter o diálogo, e hoje conseguimos abrir este canal”, comemorou. Ainda de acordo com o parlamentar, 36 portos em 12 estados participaram da paralisação.

Segundo o presidente da Federação Nacional dos Portuários (FNP), Eduardo Guterra, a manifestação não prejudicaria a movimentação de mercadorias como remédios, alimentos perecíveis, trigo e carvão. No entanto, afirmou que não deixariam de protestar contra o que dizem ser um grande erro da presidente Dilma Rousseff.

“O Brasil não pode abrir mão de controlar seus portos e o portuário não pode pagar a conta dessa nova modelagem. Ouvimos muito falarem em aumento de competitividade nos portos, mas isso vai acabar criando monopólio, com poucas empresas sendo donas de tudo e o porto público esvaziado”, disse Guterra.

Governo diz que quer manter 'essência' da MP dos Portos

O ministro da Secretaria Especial de Portos, Leônidas Cristino, disse que, apesar do acordo com os trabalhadores portuários para suspender as greves até 15 de março, o governo não está disposto a aceitar mudanças no que considera a “essência” da Medida Provisória (MP) 595/2012, que estabelece novo marco regulatório para o setor.

De acordo com o ministro, o governo está disposto a dialogar, mas haverá um limite. “Não temos interesse em mudar a essência da MP porque ela demonstra, com muita clareza, que vai ampliar a movimentação de carga com menor preço. Isso é básico. Agora, nós abrimos o canal de negociação. E, negociações, nós podemos fazer se não prejudicar o mais importante”, ponderou.

Pressionado pela greve dos trabalhadores do setor portuários, que paralisaram as atividades em 36 portos em 12 estados, o governo decidiu congelar os processos de licitação de portos e se comprometeu a não anunciar nenhum decreto de regulamentação da MP 595/2012, também chamada MP dos Portos, até a data acordada com os representantes dos trabalhadores.

“Temos que ter a humildade de dizer que precisamos conversar, abrir o leque de negociação, para que tenhamos o consenso e consigamos aprovar a medida provisória para que esse marco regulatório dê mais eficiência para o sistema portuário nacional”, acrescentou o ministro.

Com as medidas anunciadas pelo governo, os representantes dos trabalhadores se comprometeram a não promover outras paralisações, pelo menos, até o próximo dia 15 de março. Até lá, serão realizadas outras rodadas de negociações entre governo e os representares dos trabalhadores.

“Até o dia 15, não vamos fazer os processos licitatório, embora os estudo vão continuar, e também não vamos fazer nenhum decreto em relação à medida provisória”, disse o ministro Leônidas Cristino. No dia 18, ele já havia anunciado que os terminais de Santos e Belém serão os primeiros a ser licitados, ainda neste semestre.

A MP 595, em tramitação no Congresso Nacional, deverá ser analisada até 17 de março, antes que comece a trancar a pauta da Câmara dos Deputados, onde a votação será iniciada. A matéria recebeu 646 emendas de parlamentares e está sendo analisada por uma comissão parlamentar mista que tem como relator o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), e como presidente o líder do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE).

Para os representantes dos trabalhadores, a greve de hoje obrigou o governo a voltar à mesa de negociações. “Nossa dificuldade era de ter um dialogo com o governo, e agora ficou clara essa abertura [depois da paralisação]. Propusemos um prazo de fechar essa negociação até o dia 15 de março e também colocamos ao governo algumas reivindicações que foram atendidas”, disse o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, presidente da Força Sindical.

Segundo Paulinho da Força, o governo concordou também em retirar as ações na Justiça contra os sindicatos,  incluir o relator da MP 595 na mesa de negociação, além de suspender as licitações e não editar decretos.

“Em troca disso, os trabalhadores aceitaram suspender greves e paralisações até o dia 15. Até lá, com essas negociações evoluindo como acreditamos que vão evoluir, não haverá greve. Se não houver acordo, cada um fará o que achar melhor. Agora, o que o governo considera essência, é que para nós é o grande problema”, frisou o deputado.

Entre os pontos considerados essenciais para os trabalhadores, estão a manutenção do Órgão Gestor de Mão de Obras (Ogmo) para alocação de trabalhadores e a paridade de custo entre os portos públicos e privados.
Fonte: Jornal A Tribuna


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES