Postagem em destaque

GUARDA PORTUÁRIA PARTICIPA DO DESFILE DA INDEPENDÊNCIA

A Guarda Portuária voltou a participar após 35 anos de ausência. A última participação ocorreu em 1982 Ontem (07) a Guarda Portuár...

quarta-feira, 24 de julho de 2013

1

PORTUÁRIOS DO PARÁ PEDEM A SAÍDA DO PRESIDENTE DA CDP




Hoje, 24 de julho de 2013 foi um dia para ficar marcado na história da Companhia Docas do Pará.

Em um ato ordeiro, organizado pelo Sindicato dos Portuário (Sindiporto) e Sindicato da Guarda Portuária (Sindiguapor), mostrando um elevado nível de conhecimento dos oradores, mostrando a coragem de todos os que se fizeram presentes, os trabalhadores se concentraram em frente ao edifício sede, entre 8 e 10 horas, fechando a avenida Presidente Vargas, para protestar contra a Diretoria da CDP, em especial, contra o Diretor Presidente, pelo não cumprimento do Dissídio Coletivo da Categoria, julgado em 09 de maio e publicado no dia 27 do mesmo mês.

O Dissídio determinou o realinhamento salarial dos empregados com base na tabela adotada na CDP, tabela PUCS, a partir de junho de 2011, ensejando inclusive a diferença salarial relativa ao não pagamento dos salários realinhados desde a data citada até o mês atual.

Os protestos pediram a saída de Carlos Ponciano, Diretor Presidente da CDP, que adota uma política de terrorismo, através de demissões sucessivas e supressão de direitos dos trabalhadores, garantidos em acordo coletivo. Ponciano também responde a inquérito no Ministério Público, por improbidade administrativa.

Os protestos também se voltaram contra dois arapongas, que apesar de serem recentemente exonerados de seus cargos, continuam disseminando no âmbito da Companhia que serão reconduzidos a cargos comissionados, mesmo sendo acusados e respondendo a processos administrativos por crime contra a administração pública e violação da vida e privacidade do Diretor Financeiro.

Enquanto Leônidas Cristino, Ministro dos Portos foi ver o Papa no Rio de Janeiro, uma moção de repúdio já com cerca de 150 assinaturas, está sendo feita pelas entidades sindicais, e será enviada a Casa Civil e Presidência da República pedindo a exoneração imediata desse presidente, caso contrário poderá ser deflagrada uma greve geral por tempo indeterminado nos portos do Pará.


Paralização de 24 horas

Os portuários ligados à Companhia Docas do Pará ameaçam paralisar, a partir de amanhã (25), por 24 horas, as atividades em todos os portos do estado.

Caso a estatal portuária não cumpra os pontos acertados durante o acordo coletivo de 2011, nova paralisação, de 72 horas, está prevista para o dia 29.

Entre as reivindicações, respaldadas, segundo o Sindicato dos Portuários (Sindiporto-PA), por um acórdão do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, está a de piso salarial de R$ 900, com reajuste de 9,22% retroativo à data-base iniciada em 1º de junho de 2011, auxílio-educação e pagamento de 50% da hora normal para o profissional de informática que fica à disposição da empresa depois do horário de trabalho.

“De tudo o que foi acertado, o único ponto que eles cumpriram foi o reajuste do tíquete-alimentação”, disse à Agência Brasil o presidente do Sindiporto-PA, Carlos Rocha.

Para o presidente da Companhia Docas do Pará, Carlos Ponciano, há uma divergência de interpretação sobre o que foi determinado pela Justiça. “Os trabalhadores entendem que o percentual deveria ser aplicado em outros níveis salariais, além do piso. Nós discordamos”, disse Ponciano.





Um comentário:

  1. A PARALISAÇÃO DO DIA 25, INFELIZMENTE, FOI SUSPENSA PELAS SINDICAIS, ACATANDO LIMINAR DA JUSTIÇA EM FAVOR DA CDP ENTREGUE NA TARDE DE ONTEM NOS SINDICATOS QUE DETERMINA 30.000,OO DE MULTA SE OS SINDICATOS NÃO MANTIVESSEM EM ATIVIDADE 80% DOS EMPREGADOS ESCALADOS POR TURNO DE SERVIÇO.
    PORÉM, A LIMINAR, A MEU VER, SÓ TEM EFEITO PARA O DIA 24 DE JULHO, PORTANTO, A PARALISAÇÃO DE HOJE DEVERIA SER MANTIDA.
    MAS, AS SINDICAIS PREFERIRAM NÃO ARRISCAR.
    OS SINDICATOS TEM 05 DIAS PARA RECORRER.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES