Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS DENUNCIAM DIMINUIÇÃO DO EFETIVO E SUPRESSÃO DE POSTOS NO PARÁ

O quadro caótico vem comprometendo sensivelmente a segurança pública nos portos do Pará No dia 27 de janeiro, uma petição assinada...

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

2

GUARDA PORTUÁRIA REALIZA CAMPANHA EDUCATIVA NO PARANÁ





A Guarda Portuária orientou caminhoneiros que circulam pelas imediações do Porto de Paranaguá, na tarde da última sexta-feira (20), sobre cuidados para trafegar na região, como evitar o furto das cargas, prática conhecida como “vazada”, e limpeza correta dos veículos.

De acordo com o superintendente dos Portos do Paraná, Luiz Henrique Dividino, como a Guarda Portuária tem efetivo em todo o entorno do Porto (nos quatro portões, no Silão e nas moegas), pode perceber quais são os problemas cotidianos do trânsito e da segurança da área.
 

“Tendo informação, temos mais condições de combater essas situações que acabam, de certo modo, atrasando o desenvolvimento ordenado dos portos paranaenses. Como o diálogo tem sido a principal ‘arma’ para enfrentar nossos principais problemas, estamos com mais essa campanha externa para orientar os caminhoneiros, nossos parceiros em diversas outras ações”, comenta Dividino.

A campanha orientou sobre direção defensiva nas avenidas e ruas, mesmo as internas, do Porto. São informações como limite de velocidade, a importância de não parar em fila dupla e de não fechar os cruzamentos.

Quanto à segurança, os guardas lembraram a importância de se lacrar as bicas dos caminhões. De acordo com as orientações da Guarda, se os motoristas mantiverem as bicas fechadas com cadeados reforçados, dificultam a ação de delinquentes que, furtam parte da carga para revender. Manter a carga bem segura (acondicionada e fechada) na carreta também ajuda na limpeza das vias.

Os guardas orientaram os caminhoneiros sobre a necessidade de limpar os caminhões (varrer ou passar jatos de ar) nos locais adequados: as moegas e terminais de descarga. Além das informações, os caminhoneiros receberam lista com os principais telefones de emergência: o da ambulância de resgate da Appa (41-3420- 1111/ 8415-2969), da Guarda Portuária (41- 3420-1215/1305), da Polícia Militar, entre outros. 
 
 








Um dos caminhoneiros abordados foi Adilson, de Sorocaba (SP). Ao volante de um caminhão-cegonha, carregado de veículos, ele disse que está sempre em Paranaguá. “Informação nunca é demais. A vida da gente é curta, temos que aproveitá-la com segurança”.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná






 

2 comentários:

  1. Um belo exemplo a ser seguido pela nossa guarda em Santos.
    Somente com orientações e que podemos conseguircom que nossas vias fiquem mais limpa
    e sem congestionamentos.
    Orientação e tudo.

    ResponderExcluir
  2. INFELIZMENTE AQUI NO PARÀ A GUAPOR CAMINHA NO SENTIDO INVERSO. QUEM VIU, OUTRORA, O EFETIVO POR TURNO DE SERVIÇO NO PORTO DE BELÉM, AGORA RESUMIDO A APENAS SEIS GUARDAS DE SERVIÇO.
    OS ACESSOS SE RESUMIRAM, EFETIVAMENTE, A UM GP ESCALADO, CUJO SERVIÇO ESTÁ TOTALMENTE DESCARACTERIZADO, SEJA PELO DESVIO DE FUNÇÃO E ACÚMULO DE ATENÇÃO E MAIOR FADIGA ONDE ANTES SEMPRE FORAM DOIS GP's, SEJA PELA TERCEIRIZAÇÃO ABSURDA QUE AQUI EXISTE, SEJA PELA FRAGILIZAÇÃO E VULNERABILIDADE TOTAIS DOS PORTOS COM O INTERVALO INTRAJORNADA, QUE SÓ RECEBEM O DEVIDO POR ANOS DE SERVIÇO NÃO PAGOS SE FOREM PRA JUSTIÇA.
    A MEU VER, A GP DO PARÁ CAMINHA PARA SUA EXTINÇÃO. EXTINÇÃO QUE POR POUCO NÃO OCORREU NA DÉCADA DE 90, GRAÇAS AO CONCURSO FEITO EM 1997 E DEVIDO A VOLTA DE DEZENAS DE DEMITIDOS INJUSTAMENTE NA ÉPOCA DO GOVERNO COLLOR.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES