Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 16 de abril de 2014

0

PORTUÁRIOS DA CODESA ENTRAM EM GREVE



Os cerca 400 portuários da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) entraram em greve na manhã, desta terça-feira (15). Os trabalhadores exigem a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). A greve que tem duração de 48 horas será encerrada no dia 17.
Segundo o Sindicato Unificado da Orla Portuária (Suport-ES), com a greve dos trabalhadores vinculados à Codesa, cerca de 4.000 trabalhadores avulsos, prestadores de serviço, despachantes, de agências de navegação, de empreiteiras e de empresas terceirizadas que atuam dentro da área do porto organizado tiveram que interromper suas atividades.
Reivindicações
A categoria exige o cumprimento do que foi firmado no Acordo Coletivo de Trabalho sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos codesianos, que determinava prazo até 1º de janeiro deste ano para ter sido colocado em prática.
“A Codesa, além de não ter cumprido o prazo, sequer apresentou uma proposta de plano aos trabalhadores para que pudesse ser analisada. O Suport-ES esteve várias vezes em Brasília cobrando do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest) e da Secretaria de Portos (SEP) uma resposta, mas tudo não passou de promessa”, afirmou Ernani Pereira Pinto, presidente do Suport-ES.
Os trabalhadores aguardam o estabelecimento das normas para que haja o realinhamento de funções, definição de cargos, honorários, reconhecimento de cursos de graduação, entre outros quesitos.
100% de adesão no 1º dia de greve na Codesa


Os companheiros da Codesa aderiram totalmente no primeiro dia de greve, que teve início nesta terça-feira, dia 15, às 7 horas. O movimento segue até quarta e na quinta-feira vai ter início uma operação padrão.
A categoria está consciente da necessidade de defender a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), conforme previsto em Acordo Coletivo com data para ter acontecido em 1º de janeiro deste ano.
Num movimento ordeiro e pacífico, foram fechados os portões de acesso da empresa na Ilha do Príncipe, nos prédios da Avenida Getúlio Vargas e na entrada de Capuaba, em Vila Velha.
Os aposentados, sempre marcando presença, se concentraram no Prédio 5. Eles também defendem o PCCS, pois já viveram a experiência do que representa o estímulo ao profissional. Quando trabalhavam, tinham a oportunidade de construir carreira e sabem a diferença que isso fez no contracheque.
Com faixas nos portões, os companheiros estão mostrando à sociedade a importância da valorização do trabalhador. “Estamos cansados de ver cargos sendo ocupados por indicações políticas, sem critérios técnicos e respeito aos trabalhadores de carreira. É um porto público, que está concentrando profissionais desmotivados, muitos com salários defasados e sem expectativa de crescimento na carreira portuária”, disse o presidente do Suporte-ES, Ernani Pereira Pinto.
O que os trabalhadores percebem é que o governo está dando ao PCCS o mesmo tratamento que deu ao Marco Regulatório dos Portos (Lei 12.815), quando os empresários quiseram definir as regras do jogo e os trabalhadores foram colocados de lado. Foi só com movimentos que o governo passou a ouvir os portuários. Queremos conhecer o plano na íntegra para analisar o PCCS. Não vamos aceitar qualquer coisa goela abaixo!
A Codesa não cumpriu o prazo determinado no Acordo e a categoria não participou de um debate amplo como um plano complexo como o PCCS merece.
Segundo Ernani, os trabalhadores não podem continuar desmotivados e abandonando a empresa, como é o caso de muitos que chegaram através do último concurso público, perceberam a falta de incentivo para continuar na empresa e já foram embora.
Guarda Portuária em greve

O Sindicato da Guarda Portuária (Sindguapor), acatando a decisão da assembleia realizada no dia 07, também decidiu cruzar os braços, por 48 horas, nos dias 15 e 16 de abril.
A Guarda Portuária, que já estava em estado de greve, não aceita tratamento desigual e vai continuar lutando pelos seus direitos.


Fonte: FNP/Suport/Sindguapor

Edição: Segurança Portuária Em Foco







Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES