Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 15 de maio de 2023

0

MAFIOSO ITALIANO NEGOCIOU ARMAS DE GUERRA COM O PCC EM TROCA DE COCAÍNA

 

Ele negociou uma entrega de armas com o PCC como forma de pagamento pelos carregamentos de cocaína enviados à Europa via portos brasileiros

O italiano Rocco Morabito, 56, da máfia calabresa Ndrangheta, negociou uma entrega de armas de guerra com o PCC (Primeiro Comando da Capital) como forma de pagamento pelos carregamentos de cocaína enviados à Europa pela facção paulista via portos brasileiros. A informação foi divulgada no dia 3 de maio pela Europol (Polícia Europeia) durante deflagração da operação.

A ação envolveu policiais de dez países, inclusive do Brasil e resultou na prisão de 132 suspeitos, a maioria na Itália e na Alemanha. A organização criminosa usava restaurantes como fachada para lavagem de dinheiro. Em Portugal foi preso o empresário italiano Domênico Giorgi, 62.

Na denúncia do Ministério Público italiano, o procurador Giovanni Bombardieri, de Reggio Calábria, menciona que Rocco Morabitto negociou o embarque para o Brasil de um contêiner cheio de armamento de guerra procedente de países da antiga União Soviética.

Segundo o procurador, as armas pertenciam a um grupo terrorista do Paquistão, no Sul da Ásia, e tinham como destino narcotraficantes do PCC. As negociações do arsenal ocorreram quando o mafioso estava foragido no Brasil. Até hoje a Ndrangheta é aliada à facção paulista.

Presos na Paraíba

Rocco Morabito e o parceiro Vincenzo Pasquino, 32, foram presos por policiais federais em 24 de maio de 2021, no flat Ecco Summer, na praia de Tambaú, em João Pessoa, na Paraíba, Segundo a PF, Morabito é condenado a 103 anos e a polícia italiana o procurava desde 1995.

O mafioso foi extraditado para a Itália em julho do ano passado. Documentos da Interpol (Polícia Internacional) mostram que ele tinha quatro condenações naquele país, sendo duas de 22 anos, uma de 30 anos e outra de 29 anos. Segundo a documentação, as penas foram unificadas em 30 anos.

Contra Morabito havia um mandado de prisão expedido em 13 de agosto de 2008 e outro em 8 de julho de 2013. As condenações ocorreram pelas Cortes de Apelação da Calábria, em 10 de junho de 2005; Milão, em 5 de julho de 2001; Palermo, em 11 de março de 2000; e Milão, em 30 de abril de 1999.

O Escritório Central da Interpol em Roma incluiu o nome dele na difusão vermelha em 21 de junho de 1995. De acordo com a polícia italiana, a função de Rocco na máfia era organizar as importações de centenas de quilos de cocaína da América do Sul para distribuição na Europa.

Aliado a André do Rap

Morabito chegou a montar um escritório no Itaim Bibi, zona sul paulistana, junto com o sobrinho dele, Francesco Sculli, e o jordaniano Waleed Issa Kmayis, que já passou pela Casa de Detenção, no Carandiru, e atualmente está preso na Turquia. O bando tentou enviar 600 kg de cocaína para a Europa pelo porto de Fortaleza (CE), em julho de 1992.

Em 2017, o mafioso, conhecido como "rei da cocaína de Milão", foi capturado no Uruguai, mas fugiu da prisão dois anos depois. As suspeitas são de que ele estava escondido no Brasil desde 2019 e que já havia passado pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraíba.

Rocco Morabito e o comparsa capturado na Paraíba não foram os únicos integrantes da Ndrangheta presos no Brasil. Em 8 de julho de 2019, a PF prendeu em um prédio na Praia Grande (SP), Nicola Assisi e o filho dele, Patrick Assisi, e apreendeu na cobertura um passaporte em nome de Vicenzo Pasquino.

Segundo a PF, os Assisi, Rocco Morabito e Pasquino tinham envolvimento com o narcotraficante brasileiro André Oliveira Macedo, o André do Rap, ligado ao PCC e foragido da Justiça desde 10 de outubro de 2020.

Fonte: Josmar Jozino – Site UOL


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.