Postagem em destaque

CDRJ É CONDENADA A PAGAR DANOS MORAIS POR NÃO RENOVAR O PORTE DE ARMAS DE UM GUARDA PORTUÁRIO

  O magistrado assinalou que, ao proceder assim, a CDRJ expôs a vida e a integridade física do trabalhador a risco A Companhia Docas do Ri...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 21 de março de 2022

0

PORTOS DO CONE SUL SURGEM COMO ROTA PARA REEXPORTAÇÃO DE COCAÍNA

 

   Vista aérea de Puerto San Antonio, no Chile, em 05/01/2022. (Foto: Bibikow/Hemisf.fr/AFP)

Portos do Cone Sul emergem como rota para reexportar cocaína

Os portos de Buenos Aires, Argentina; San Antonio, Chile; e Montevidéu, no Uruguai; estão na crescente rota não tradicional para a reexportação de toneladas de cocaína, indicam pesquisadores da Universidade Nacional de La Plata e da Universidade de Buenos Aires em um estudo de janeiro de 2022.

Pesquisadores do Centro de Estudos do Crime Organizado Transnacional (CeCOT), da Universidade Nacional de La Plata e da Universidade de Buenos Aires, ambas da Argentina, mostram no estudo Tráfico de Cocaína de Portos Não Tradicionais: examinando os casos da Argentina, Chile e Uruguai, publicado em 4 de janeiro de 2022, que grupos criminosos estão priorizando determinados portos na América do Sul. Os "portos não tradicionais" de Buenos Aires; San Antonio, Chile; e Montevidéu, no Uruguai, tornaram-se "muito boas opções para organizações criminosas que traficam cocaína para o exterior".

Esses países são considerados de baixa penetração do crime organizado e baixos níveis de violência pública, explica o relatório. O narcotráfico utiliza esses portos "para lavar e disfarçar a origem das drogas" e "reduzir riscos e maximizar a lucratividade", abunda o estudo.

Um exemplo é o Chile, onde a presença do crime organizado é menos evidente do que em outros países da América Latina. O narcotráfico utiliza o dinamismo dos portos chilenos para exportar cocaína e gera novas ameaças, como a produção de drogas sintéticas, informou a BBC.

Um relatório de setembro de 2021 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime e a EUROPOL reitera que o tráfico de cocaína da América do Sul para os Estados Unidos aumentou nos últimos cinco anos. No entanto, as redes de narcotráfico também visam a Europa, que tem maior potencial e está menos saturada do que o mercado dos EUA.

É por isso que a Europa assume um papel central, considerando que sua geografia permite a passagem para novos mercados onde a cocaína atrai valores extraordinários, mostra o relatório. Simultaneamente, o aumento dos controles no Brasil, Colômbia e Peru nos últimos cinco anos mudou as rotas do narcotráfico para o sul, acrescenta.

Rotas contrárias

Os portos estudados estão mais ao sul do que os países produtores de cocaína e o país de trânsito mais importante, o Brasil. Isso implica em alta mobilidade e custos mais altos para as organizações criminosas, mas dão maior segurança aos carregamentos de cocaína, detalha o CeCOT.

Também mostra que, embora algumas rotas não façam sentido econômico ou geográfico aparente; as rotas e frequências dos embarques que saem de Buenos Aires, San Antonio e Montevidéu, têm uma conexão regular entre esses portos e os portos de contêineres identificados como portos de entrada de cocaína, principalmente os europeus. Além disso, o transporte de cocaína pelas rotas tradicionais sempre envolve uma perda. As rotas do Pacífico e do Caribe agora são bastante complicadas, destaca o relatório.

As drogas produzidas na Bolívia, Colômbia e Peru são enviadas para áreas de trânsito como Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, antes de serem enviadas para o mercado europeu, publica o site do Programa de Assistência ao Crime Organizado Transnacional Europa América Latina (EL PACTO).

O EL PAcCTo destaca o aumento das apreensões de drogas no Uruguai como prova do alcance da ameaça e da crescente preocupação de todos aqueles que lutam contra o narcotráfico. Além disso, aponta que 75% dos grupos criminosos organizados têm como principal atividade o tráfico de drogas. Eles estimam que existam 436 grandes grupos do crime organizado na América Latina.

Colaboração

“Infelizmente, espera-se que o tráfico de cocaína aumente ainda mais devido à crescente demanda dos mercados tradicionais (Estados Unidos e Europa) e novos mercados (Oceania e Ásia)”, conclui CeCOT. No entanto, os países latino-americanos estão lutando.

Nesse contexto, o Uruguai recebeu em 3 de dezembro de 2021 uma delegação do Programa de Controle de Contêineres da Organização das Nações Unidas e da União Aduaneira Mundial. O projeto busca melhorar a detecção de carregamentos de drogas e outras atividades do crime organizado transnacional, disse a Direção Nacional de Alfândegas do Uruguai em comunicado. O programa será assinado em março de 2022.

Também em dezembro, a Marinha do Uruguai recebeu uma doação de três embarcações da classe protetora da Guarda Costeira dos EUA, no valor de quase 8,7 milhões de dólares, “para reforçar a segurança marítima e a soberania econômica nas águas uruguaias”, indicou a Embaixada dos EUA no Uruguai. Os barcos chegarão antes do final de 2022.

Fonte: Por Julieta Pelcastre/Diálogo


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.