Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 24 de julho de 2023

0

“GUERRILHEIRO DO PCC” DESAFIA A POLÍCIA NAS REDES SOCIAIS

 

Criminoso age na mata do entorno do Porto de Santos, onde, segundo a Polícia Civil, é chefe da segurança do tráfico internacional da facção

No dia 7 de junho, um admirador entrou no perfil Falujasiria, no Instagram, que pertence a André Luiz dos Santos, o Keko, e escreveu um comentário em uma foto do bandido com seu fuzil: “Tá na mídia paizão tá passando no Kwai e TikTok direto. Brabo demais”.

Keko tem outros quatro perfis na rede social com imagens de seu treinamento e preparo na selva da Baixada Santista. Sua história se confunde com as lendas criadas em torno de seu nome. Ela está registrada em uma investigação criminal.

Nos dois últimos anos, Keko atirou em policiais, quase derrubou um helicóptero da PM e chegou a se esconder, segundo a Polícia Civil, na Bolívia. O Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, acredita agora que ele está de volta à mata do mangue ao redor do Porto de Santos, onde é um dos chefes da segurança do tráfico internacional de drogas, mantido pelo Primeiro Comando da Capital (PCC).

Segundo relatório secreto da polícia, Keko “vive na mata desde meados de 2008 quando foi condenado a nada menos que 92 anos de reclusão, mas, ao que tudo indica, nunca esteve isolado”. Sua rede de proteção contaria com a participação de Rafael da Silva Martins, o Marrom, apontado como o chefe do tráfico de drogas na Vila Esperança, em Cubatão.

O material apreendido nas investigações permitiu à polícia concluir que Keko mantém uma estrutura capaz de escondê-lo de forma discreta, mas sem que lhe falte o mínimo, “como água, luz, e algo importantíssimo, o acesso à internet!”.

O Estadão reconstruiu os últimos passos dessa caçada ao homem que se comporta como um guerrilheiro. Os lances mais recentes começaram em 2 de abril de 2020.

Naquele dia, o capitão Bruno, da PM, pilotava uma das aeronaves Águia, da corporação, quando avistou uma embarcação de alumínio de cerca de 12 pés de comprimento. A patrulha aérea sobrevoava o mangue, em São Vicente, onde corre o Rio Boturoca.

Os ocupantes do barco levavam dois tonéis azuis, semelhantes aos usados por traficantes para esconder entorpecentes na mata. Quando perceberam a aproximação da polícia, eles manobraram a embarcação para baixo da vegetação ribeirinha.

O piloto do helicóptero tentou se aproximar, mas os bandidos atiraram com fuzis. Alvejaram quatro vezes a aeronave, comprometendo o comando dos pedais, o que obrigou o piloto a fazer um pouso de emergência.

Reação

A PM reagiu e despachou para lá quatro equipes do Comando de Operações Especiais (COE).

A nova incursão começou em 8 de abril, em uma pequena ilha do Rio Boturoca. Duas patrulhas avançaram pela terra e duas se aproximaram pelo mar em embarcações apropriadas para ações de comando.

Quando as patrulhas marítimas se aproximavam da ilha, traficantes atiraram com fuzis. O policial Rodrigo Tadeu Rodrigues foi atingido no punho direito e seu companheiro Julio Cesar Reis foi ferido na coxa esquerda. Uma rápida operação de resgate foi montada para transferir os baleados para hospitais de São Paulo.

O COE permaneceu por mais de 24 horas na região de mata fechada. Vasculharam cada pista deixada pelos bandidos – não muito longe dali, um suspeito seria baleado perto da linha férrea Santos-Jundiaí.

Apesar do cerco, Keko e seus homens fugiram, deixando para trás drogas, explosivos, munições, balanças de precisão e a contabilidade do tráfico.

A maioria da cocaína apreendida estava nos tonéis plásticos, em esconderijos cavados na terra. Uma parte menor foi achada em cima de uma bancada, em porções de cerca de um quilo. Os policiais haviam, pela primeira vez, desbaratado um dos bunkers de Keko.

O lugar tinha câmeras de monitoramento para vigiar o seu entorno, além de uma rede de casamatas usadas para repelir invasores.

Parte da droga armazenada ali serviria para abastecer a comunidade da Vila Esperança. Outra era levada à noite por Keko e suas equipes até o porto, onde mergulhadores do PCC prendiam o entorpecente em navios com destino à Europa.

Lá, outros mergulhadores ligados à facção ou aos seus parceiros europeus, como a Ndrangheta e a máfia sérvia, recuperavam a droga para distribuí-la no continente.

Trata-se de um negócio na Baixada Santista hoje dominado por traficantes como André de Oliveira Macedo, o André do Rap, atualmente foragido.

Nova Ação

Após as incursões de abril de 2020, a PM manteve a vigilância na área do Rio Boturoca. Foi ali que seus homens detectaram meses depois um bando em lanchas rápidas, com fuzis, circulando pelo mangue.

Era 11 de junho. Três dias depois, novas informações chegaram ao Batalhão de Operações Especiais (Bope): os bandidos desembarcaram mais tonéis azuis na região. Os policiais identificaram as coordenadas de GPS de três pontos que teriam sido ocupados pelos criminosos.

A Justiça recebeu o pedido e concedeu a ordem para monitorar os suspeitos. Depois, expediu mandados de busca. Às 7 horas de 20 de junho, homens do COE e do esquadrão antibombas da PM irromperam nos três pontos monitorados. Mas os agentes chegaram tarde demais. Tudo tinha aspecto de abandono. Foi pouco a pouco que as provas das atividades dos bandidos foram surgindo.

A ação no primeiro endereço foi decepcionante. Em uma rua de terra batida, às margens da ferrovia, um muro alto e um portão escondiam um barracão. Ali, em uma caixa plástica, embaixo de uma bancada de madeira, foi achado o único vestígio deixado pelos criminosos: um carregador de fuzil.

As coisas só começaram a mudar a quase um quilômetro dali, na encosta de um morro. Uma armadilha feita com linhas e uma granada pelos traficantes estava no caminho dos policiais, comandados pelo tenente-coronel Valmor Saraiva Racorti, que tiveram de detoná-la.

No fim da trilha, havia uma casa de alvenaria. Em meio à mata nativa, Keko construíra um imóvel com piscina e um lago artificial, mas não se esqueceu de também estender ali armadilhas para os invasores. Contava ainda com a companhia de um cão da raça pitbull.

Em seus perfis nas redes sociais, o traficante publicou vídeos ensinando o cachorro a subir em árvores e a resgatar troncos presos a anilhas de equipamentos de musculação – material semelhante ao encontrado pelo COE –, jogando-os na piscina.

Em um outro vídeo, o traficante mostra que o cão atendia ao comando “amém” para só então começar a comer. O dono fazia ainda as vezes de veterinário do bicho e chegou a se filmar cuidando de um ferimento do animal.

No imóvel, os policiais encontraram um fuzil BMG, calibre.50. Mais adiante na mata, perto de uma cachoeira, eles localizaram um barraco onde Keko supostamente guardara quatro rolos de emulsão explosiva.

O bandido, no entanto, escapou. Nenhum traço que levasse a sua captura foi encontrado.

Alcunha de Guerrilheiro

A alcunha de ”guerrilheiro do PCC” teve origem em um informe, nunca confirmado pela polícia, de que Keko passara uma temporada na Colômbia, onde teria aprendido a navegar pela selva com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). “Há muita lenda em torno dele”, reconhece o promotor Lincoln Gakiya, um dos maiores conhecedores do PCC no País.

FUGA

O homem procurado pela PM sumiu no meio da mata, como nos vídeos que ele divulga nas redes sociais onde diz: “Não existe atalhos, tudo é repetição e treinamento”. Ou como escreveram os investigadores da Polícia Civil em um relatório secreto: “A ousadia demonstrada nas duas ações chega a ser assustadora, mas ao que tudo indica, ‘Keko’ treinou muito e se preparou para o dia do combate”.

O criminoso teria ido então, segundo a polícia, para a Bolívia, mas agora está volta. Por meio de uma mensagem telefônica em que Keko fez ameaças a um desafeto, a polícia localizou o local exato de onde partira o recado: a favela Vila Esperança. “Temos a informação de que ele vol-tou”, afirmou o promotor Sílvio Loubeh, do Geaco.

Criminoso mantém ‘silêncio’ na internet após volta ao Brasil

Ao ser questionado sobre o paradeiro de André Luiz dos Santos, o Keko, o delegado Luiz Carlos do Carmo, diretor do Departamento de Polícia do Interior-6, responsável pela Baixada Santista, disse ao Estadão o que muitos suspeitavam: Keko fugira para a Bolívia.  Era lá que ele ficara até voltar ao Brasil.

Após a fuga de Keko, o Gaeco havia pedido à Justiça que os perfis em redes sociais mantidos pelo narcotraficante fossem desativados, mas até a semana passada era possível acessar vídeos e fotos postadas pelo bandido, quase tudo material antigo.

Entretanto, não ia demorar muito para que a inteligência da Polícia Civil obtivesse uma informação que coloca novamente Keko com os pés na Baixada.

Foi por meio de uma mensagem telefônica em que ele fez ameaças a um desafeto que a polícia localizou o local exato de onde partira o recado: a favela Vila Esperança, em Cubatão, vizinha ao mangue. “Temos a informação de que ele voltou”, afirmou o promotor Sílvio Loubeh, do Gaeco da Baixada, com mais de 15 anos de experiência no combate ao crime organizado.

Após a segunda fuga de Keko, o Gaeco havia pedido à Justiça que os perfis mantidos pelo narcotraficante fossem desativados, mas até a semana passada era possível acessar os vídeos e as fotos postadas pelo bandido, quase tudo material antigo. É que desde a “sua volta”, Keko mantém silêncio.

É que desde a volta ao País, Keko mantém silêncio. Nada de novo aparece em suas contas no Instagram. uspeita-se de que ele tenha criado novos perfis, onde procura manter vídeos de treinos para o combate, como os que circulam livremente em redes populares, como o Kwai e o TikTok.

No material de 2020, os investigadores encontraram provas para ligar o bandido aos bunkers e aos objetos apreendidos, além de pistas para localizá-lo. Talvez, por isso mesmo, ele esteja, agora, mais cauteloso.

Fonte: Jornal o Estado de São Paulo - Por Marcelo Godoy


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.