Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 16 de janeiro de 2024

0

SIMULADO DE SEGURANÇA É REALIZADO EM NAVIO DE CRUZEIRO NO PORTO DE PARANAGUÁ

 

O exercício simulou a retirada de um “passageiro clandestino” do navio e teve a participação da Polícia Federal, Guarda Portuária e da MSC

Na última sexta-feira (12) foi realizado um simulado de segurança no navio Lirica, atracado no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná. 

O exercício simulou a retirada de um “passageiro clandestino” do navio e teve a participação da Polícia Federal (PF), Guarda Portuária (GPort) e da Mediterranean Shipping Company (MSC).

A realização faz parte do calendário obrigatório do Plano de Segurança, recomendado no Código Internacional para Segurança de Navios e Instalações Portuárias (ISPS-CODE).

De acordo com o protocolo, o passageiro passa por revista e é encaminhado para a área externa do navio acompanhado de representantes da MSC. “Todos saem ganhando nesse cenário do simulado, pois mantém os seus colaboradores em treinamento e aperfeiçoamento constantes. A ideia é aprimorar ainda mais esses protocolos cooperativos”, destacou o major César Kamakawa, gerente da GPort, da empresa pública Portos do Paraná, Autoridade Portuária

Em situações de emergência, a GPort é acionada para isolar o local até a chegada da PF. A Autoridade Portuária também pode ser convidada a subir a bordo para prestar o apoio necessário. Com o isolamento da área, a PF embarca no navio para retirar o passageiro clandestino, que é conduzido para a delegacia de Polícia Federal.

A simulação acontece de forma esporádica e uma vez por temporada. No Porto de Paranaguá, esta foi a primeira vez que este tipo de simulado foi realizado.

Sobre o ISPS CODE

O ISPS CODE está ligado ao monitoramento de acessos, pessoas, bagagens, cargas e viaturas que circulam nas áreas portuárias e de fundeio.

O código estabelece três níveis de segurança possíveis para navios e instalações portuárias durante uma situação de emergência. O nível 1 é uma situação sem ameaças, o nível 2 é uma ameaça provável, mas não confirmada; e o nível 3 é uma ameaça confirmada. No caso do passageiro clandestino, a situação aconteceu seguindo o protocolo de segurança nível 1.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.