Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

0

REGULAMENTAÇÃO DA GUARDA PORTUÁRIA SERÁ REIVINDICAÇÃO DE PARALISAÇÃO NACIONAL




Os trabalhadores portuários associados aos sindicatos filiados à Federação Nacional dos Portuários (FNP) vão paralisar as atividades por seis horas na próxima sexta-feira (24) das 7h às 13h – e na quinta-feira (30) por 24 horas a partir das 7 horas.


Em reunião na sede da FNP, em Brasília, na segunda-feira (20), líderes sindicais de todo o país confirmaram a adesão ao movimento, aprovada em assembleias regionais da categoria.


Os trabalhadores reivindicam a implantação do plano de cargos carreira e salários (PCCS), uma solução para o Portus, previdência complementar da categoria e a regulamentação das atividades da Guarda Portuária, sem terceirização.


A normatização da Guarda Portuária a cargo da Secretaria de Portos (SEP) é motivo de questionamentos por parte dos trabalhadores que reivindicam mais participação na criação do regramento para a atividade. Em novembro de 2013, a Secretaria apresentou proposta aos trabalhadores que permite a contratação de segurança privada para a vigilância dos portos. 


Para os trabalhadores, a possibilidade da terceirização da atividade representa um risco à segurança portuária. “O nosso desafio é combater a terceirização”, disse o presidente da FNP, Eduardo Guterra, que defende a implementação de proposta de normatização, encaminhada pelos portuários à Secretaria de Portos (SEP), em agosto último, que impede a terceirização.


O Portus, previdência complementar dos portuários, é outro tema que exige solução imediata. O fundo enfrenta dificuldades para pagar os benefícios de seus assistidos devido à inadimplência das patrocinadoras (as companhias Docas) e da União, como sucessora da extinta Portobrás.


Os trabalhadores pedem que o governo federal apresente os resultados do estudo elaborado por grupo interministerial, liderado pelo Ministério da Previdência Social, para auditar a dívida do Portus.  Segundo informações da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), o estudo foi concluído e agora depende de decisão da Casa Civil. A intervenção, decretada pela Previc em agosto de 2011, já foi renovada seis vezes e vence no próximo dia 31 de janeiro. Nenhuma solução foi apresentada pelo governo federal até o momento.


Levantamento da Federação Nacional dos Portuários (FNP) indica que hoje o Portus atende 11 mil ativos e pensionistas, ao considerar os dependentes são mais de 30 mil pessoas que podem ser afetadas pela falta de recursos do plano.


Outro motivo de insatisfação é a falta de plano de cargos carreira e salários (PCCS) que impõe perdas econômicas aos trabalhadores das companhias Docas.


A FNP também tomará medidas para cobrar do governo federal a regulamentação das questões sociais prevista na Lei 12.815/2013 como a renda mínima para o trabalhador portuário avulso.




FONTE: FNP










Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES