Postagem em destaque

CONPORTOS CASSA CERTIFICADO DE SEGURANÇA DOS TERMINAIS DA RODRIMAR NO PORTO DE SANTOS

Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos encontra falhas nos sistemas de segurança desde 2016 e a empresa não apontou soluçõe...

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

0

ESTIVADORES VOLTAM AO TRABALHO E AGUARDAM NOVO JULGAMENTO




Tribunal do Trabalho voltará a julgar dissídio e o impasse sobre a escala de avulsos ainda neste ano

Os estivadores voltaram ontem ao trabalho nos três terminais privativos: BPT, Libra e Santos Brasil, após 10 dias de greve. Eles obedeceram decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP) que julgou a greve não abusiva, pediu a volta imediata ao trabalho e impôs uma multa de R$ 100 mil por dia, caso os trabalhadores mantivessem a paralisação.
A decisão foi tomada em assembleia da categoria. Com isso, a paz volta a reinar entre estiva e empresários marítimos, pelo menos até que o tribunal volte a julgar o caso, que por enquanto se encontra nas mãos da justiça do trabalho de Santos, que irá fazer um levantamento nos terminais para apurar como vem sendo feito o trabalho entre avulsos e trabalhadores vinculados.
O julgamento ocorreu na quarta-feira, na Seção de Dissídios Coletivos, onde o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região analisou as greves dos estivadores e também dos funcionários da USP. Ambas foram consideradas não abusivas.
Apesar de declarar a não abusividade da greve dos estivadores, o TRT-2 exigiu o retorno imediato dos trabalhadores, sob pena de R$ 100 mil de multa diária, em caso de descumprimento. 
Quanto às cláusulas econômicas e sociais, nada foi resolvido. Isso porque o dissídio foi convertido em diligência. Assim, uma carta de ordem será encaminhada para a justiça do trabalho de Santos, para que haja a colheita de provas para elaboração de um laudo que auxiliará os desembargadores no julgamento do caso.
Dentre os quesitos determinados pelo TRT-2 nesse laudo estão a oitiva de testemunhas, a inspeção dos locais de trabalho, a análise quanto ao respeito da proporcionalidade definida pelo TST (66% de mão de obra vinculada contra 34% de avulsa), a escala cumprida pelos trabalhadores e se há diferenciação entre celetistas e avulsos.
O laudo será enviado para o Tribunal, quando então haverá análise dos resultados obtidos e assim seja agendada uma nova data de julgamento.
Sopesp
O Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), que representa os terminais privativos, diz que o Acórdão (Decisão de sentença), do Tribunal Superior do Trabalho (TST). De escala de trabalho com uso de 66% de trabalhadores com vínculo de emprego e 33% de trabalhadores está sendo mantido pelas empresas. Esse foi o motivo principal da greve da estiva.


* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                
COMENTÁRIOS


Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES