Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 10 de outubro de 2017

0

GAECO DENUNCIA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA QUE ATUA NO PORTO DE SANTOS




Segundo o MP, sindicato e associações de transporte de contêineres vazios ameaçavam profissionais

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), ofereceu denúncia à Justiça de Guarujá contra 11 integrantes de uma associação criminosa, que são acusados de dominar de forma irregular o mercado de transporte de contêineres vazios no Porto de Santos. O caso é investigado desde 2013.
Segundo o Gaeco, essas pessoas estão ligadas a três entidades, são elas: Sindicato dos Transportadores Autônomos de Containers de Guarujá, Santos e Região (Sindcon), Associação dos Trabalhadores Autônomos de Containers (Atac) e Associação dos Caminhoneiros Autônomos do Guarujá  (Associajá).
Assim que recebeu a denúncia, a Justiça determinou o imediato afastamento de todos os réus dos cargos de direção que ocupam nas entidades e de todas suas atribuições.
Investigações
As investigações apontam que a Associajá e a Atac dividem a totalidade dos valores obtidos com os fretes de contêineres vazios do Guarujá e dos fretes para as cidades vizinhas de Santos e Cubatão. A divisão seria meio a meio.
Para dominar o mercado, o Gaeco informa que a associação criminosa ameaçava e praticava atos de violência contra empresários do ramo de transportes, motoristas autônomos e dirigentes de outras associações.
Sem saída, as vítimas desse grupo, se viam obrigadas a se unir às entidades investigadas para prestar os serviços para os quais eram contratadas. As empresas também não podiam usar de veículos e funcionários próprios nestes casos.
Cobrança de placas e mensalidade
Os motoristas autônomos, por exemplo, só conseguem trabalhar caso se vinculem a Associajá ou Atac. E, para isso, precisam comprar ou  arrendar  “chapas” – identificação-, além de pagar mensalidades.
Mesmo se associando às entidades, os profissionais ainda eram vítimas de uma distribuição desigual dos fretes. De acordo com o Gaeco, as associações privilegiavam os próprios veículos e enriqueciam em um mercado sem concorrências.
LEIA TAMBÉM: SINDICATO DE CAMINHONEIROS É ACUSADO DE LIGAÇÃO COM A FACÇÃO CRIMINOSA PCC
Respostas
José Nilton de Oliveira

A tribuna On-line entrou em contato com todas as entidades investigadas pelo Gaeco. A Associajá e Atac não atenderam aos contatos da Reportagem.
O advogado do vereador de Guarujá José Nilton Lima de Oliveira, o Doidão, que também é presidente do Sindcon, informou que o sindicato não pronunciará enquanto não for notificado da ação. 


* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                                                                                                                         
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                                                           
                                                          COMENTÁRIOS                             

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES