Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS OBTÉM ACESSO AOS CURSOS DO SENASP

A inclusão dos guardas portuários na Rede EAD Senasp se deu após a criação do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP). Os guardas p...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 16 de julho de 2019

0

PF PRENDE SUSPEITOS DE INTEGRAR MÁFIA ITALIANA


Foto: Reprodução TV Globo

Segundo a polícia, ambos são cidadãos italianos e pertencem ao grupo mafioso Ndrangheta, da região da Calábria, no sul da Itália
Na manhã do dia 8, o Grupo de Pronta Intervenção (GPI), da Polícia Federal, prendeu dois homens suspeitos de integrar a máfia italiana em uma cobertura de luxo, no edifício Praia Reis, localizado na Rua Ofélia Cassetari Reis, bairro da Aviação, em Praia Grande, no litoral paulista.
A operação, comandada pela PF do Paraná, foi batizada de Barão Invisível. Segundo a polícia, ambos são cidadãos italianos e pertencem ao grupo mafioso Ndrangheta, da região da Calábria, no sul da Itália. A organização é apontada como responsável por controlar aproximadamente de 40% dos envios globais de cocaína à Europa, principal mercado consumidor e atuava junto com uma das maiores facções criminosas brasileiras, que atua dentro e fora dos presídios do país. Eles são suspeitos de enviar cocaína à Europa pelos portos de Santos e Paranaguá (PR).
Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Representação da Polícia Federal junto à Interpol, em cooperação com a Polícia Italiana.
Presos
De acordo com a Polícia Federal, Nicola Assisi, conhecido como "fantasma de Calábria", é condenado por tráfico e associação para tráfico de drogas na Itália. Ele o filho, Patrick Assisi, ocupavam três apartamentos na cobertura de um prédio de alto padrão no litoral paulista.
Os dois estavam foragidos desde 2014. Segundo a polícia, eles passaram por Portugal e Argentina usando nomes falsos. Nicola estava prestes a se aposentar do crime para aproveitar a vida em algum lugar no Brasil. A Interpol também estava atrás deles desde a ocasião. A suspeita é que pai e filho tenham viajado utilizando documentos falsos. Nicola possui passaporte argentino falso com o nome de Javier Varela.
Apartamentos
Foto: Reprodução TV Globo

O apartamento onde os dois foram presos tinha um esquema de segurança sofisticado, com câmeras na área externa que eram usadas para identificar todas as pessoas que entravam no prédio. Uma das câmeras, segundo a PF, custava cerca de R$ 100 mil e filmava em 360 graus.
Os apartamentos tinham paredes falsas, usadas para esconder drogas, dinheiro e armas, além de servir de esconderijo.
De alto padrão, o condomínio tem 17 pavimentos e fica a uma quadra da orla, no bairro Aviação. Além das coberturas habitadas, os Assisi seriam donos de uma terceira, de número 165, no mesmo edifício. Os apartamentos tinham paredes falsas, usadas para esconder drogas, dinheiro e armas, além de servir de esconderijo. Os policiais federais apuraram que a porta principal do apartamento de Patrick era meramente decorativa, porque atrás dela foi construída uma parede de tijolos.
Nicola residia na cobertura 163. Patrick morava na de número 161 com a mulher e um casal de filhos, aparentemente de 3 anos de idade. A família pouco saía do edifício e não mantinha contatos com os demais condôminos. Eles costumavam receber prestadores de serviços nas coberturas.
Cabeleireiro, manicure e médico das crianças, quando necessário, eram chamados para atendimento na residência. Os Assisi evitavam, com isso, exposições desnecessárias e tentavam perpetuar a ocultação de suas origens criminosas.
Apreendido

De acordo com a PF, foram apreendidos na operação: 1 pistola calibre 40, 2 pistolas calibre 380, 41 munições calibre 380, 14 aparelhos celulares variados, 1 telefone satelital, 3 notebooks, 1 Ipad, HDs externos e pendrives, 1 modem portátil, 5 relógios de luxo, Documentos variados, cartões de crédito, 02 veículos (um Corolla e um Logan), R$ 770.745,00, US$ 24.432,00, Euro $ 6.165,00, 3,973 kg de pó branco aparentando ser cocaína, lacres falsificados de contêineres e uma impressora 3D que era usada para falsificar os lacres e documentos falsos, como um passaporte argentino e um título de eleitor brasileiro.
PCC

Segundo a polícia italiana, investigações apontam que a máfia italiana e o Primeiro Comando da Capital (PCC) se associaram já há algum tempo para enviar cocaína à Europa, principalmente pelos portos de Santos e Paranaguá (PR). A quantidade de droga despachada não foi estimada.
A facção paulista, que se expandiu pelo país e pela América do Sul, conseguiu ampliar os seus tentáculos dominando o tráfico na fronteira com o Paraguai e estabelecendo relações comerciais diretas com os produtores de cocaína deste país, da Bolívia e do Peru.
"A principal função desses presos  era justamente fazer o elo da produção da cocaína em países como o Peru e a passagem pelo Brasil, inclusive por portos", afirmou o superintendente da Polícia Federal no Paraná, Luciano Flores.
Segundo Flores, a polícia vai investigar se há alguma ligação entre o aumento das apreensões de drogas nos portos brasileiros e a atuação dos dois suspeitos presos.
"A gente tem acompanhando que tanto no Porto de Paranaguá e no de Santos estavam havendo grandes apreensões de cocaína, recordes históricos para o Brasil e certamente isso envolve facções e organizações criminosas da América do Sul, inclusive, do Brasil com organizações criminosas na Europa", disse o delegado.
Prisão preventiva
No dia seguinte a prisão, em audiência de custódia, o juiz federal Roberto da Silva Oliveira converteu em preventiva a prisão dos italianos. A partir dessa decisão, pai e filho respondem a duas prisões preventivas: a do Supremo Tribunal Federal (STF), para fins de extradição, e a decorrente do flagrante de armas, drogas e dinheiro em Praia Grande, onde ambos foram localizados, pois não houve justificativa da procedência dos ilícitos
Defesa
A defesa de Nicola e Patrick Assisi tentou levar o caso para a justiça estadual, pois entendeu que o flagrante de tráfico não configurou crime internacional. "Pedimos a incompetência do juízo, pois configura tráfico doméstico de entorpecentes", afirmou o advogado Bruno Galhardo. A droga, segundo ele, estava em um apartamento vizinho, também de propriedade dos dois.
O juiz entendeu que o caso deveria permanecer em esfera federal e o advogado, então, solicitou a liberdade provisória, uma vez que tinha residência fixa. Com a nova negativa, a Bruno diz que vai recorrer. "Vamos estudar agora o pedido de revogação da prisão [em instância superior] e até o habeas corpus" , explicou.
“Basicamente, o juiz quis saber se houve abuso na prisão. Não houve, mas questionamos o flagrante por tráfico, porque a droga estava em um imóvel que não pertence aos acusados, a quantidade apreendida é pequena e não há prova de que ela seria enviada ao exterior”, disse Galhardo.
O advogado Bruno Galhardo também afirmou que vai entrar com procuração no STF para ter acesso aos autos que determinaram as prisões preventivas iniciais e assim traçar a estratégia da defesa. "Eles negam o tráfico e vão responder pelas armas encontradas em juízo. Eles também negam envolvimento com a máfia italiana", disse.
Extradição
Na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em Brasília, Sérgio Moro se reuniu com o procurador nacional Antimáfia e Antiterrorismo da Itália, Federico Cafiero. No encontro, Moro afirmou que os dois italianos serão extraditados do país. "O Brasil não deve ser refúgio para criminosos", disse.


LEIA TAMBÉM:




A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                           

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.