Postagem em destaque

OPERAÇÃO ENVOLVENDO PF, RFB E GPORT APREENDE MAIS DE UMA TONELADA DE COCAÍNA NO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO

  A troca de informações entre as autoridades envolvidas foi crucial para o sucesso da operação. Na tarde da última sexta-feira (02) uma o...

LEGISLAÇÕES

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

0

JUSTIÇA FEDERAL CONDENA CINCO POR TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS EM PROCESSO DA OPERAÇÃO ALBA VÍRUS

 


Todos os réus foram condenados a regime inicial fechado de prisão e a pagamento de multa.

O juiz federal Roberto Lemos dos Santos Filho, da 5ª Vara Federal de Santos, no litoral de São Paulo, condenou, nesta quarta-feira (23), cinco réus do processo da Operação Alba Vírus, por meio da qual a Polícia Federal prendeu pessoas ligadas ao tráfico internacional de drogas.

A operação foi deflagrada em agosto de 2019, contra o uso de portos brasileiros para o tráfico internacional de drogas em navios cargueiros. Durante a ação, comandada pelas delegacias da PF em Itajaí (SC) e Santos, no litoral paulista, 12 pessoas foram presas e foram apreendidos US$ 7,2 milhões e R$ 1,6 milhão em espécie.

Mandados foram cumpridos nos estados de São Paulo (São Paulo, Santos e Guarujá), Santa Catarina (Itajaí e Balneário Camboriú), Mato Grosso do Sul (Campo Grande) e Bahia (Salvador). A 5ª Vara Federal de Santos também determinou o bloqueio de mais de R$ 23 milhões em imóveis como casas, apartamentos e uma fazenda.

Segundo as investigações apontaram naquela época, as organizações criminosas inseriam cocaína em contêineres embarcados nos portos das duas cidades, além do terminal de Paranaguá (PR), utilizando empresas de fachada com atuação na logística portuária. Em geral, a droga era escondida sem que os verdadeiros donos das cargas soubessem, e eram enviadas para diferentes partes do mundo.

Agora, com a decisão do juiz federal, cinco réus foram enquadrados no crime de tráfico internacional, sendo que todos eles foram condenados a regime inicial fechado de prisão e a pagamento de multa.

Conhecidos como Casal Busca-pó foi condenado pelo envio de cocaína pelo Porto de Santos (Foto AT)

Karine de Oliveira Campos foi condenada a 17 anos e 2 meses de reclusão e pagamento de 2.338 dias-multa. Marcelo Mendes Ferreira foi condenado a 15 anos, 2 meses e 10 dias de reclusão e pagamento de 2.062 dias-multa.

Karine e Marcelo formam um casal e, de acordo com documento emitido pela Justiça, são especializados no processo de aquisição e importação do entorpecente para o território nacional, e posterior transporte e exportação da droga por meio de diversos portos brasileiros.

Éder Santos da Silva, identificado como o narrador das filmagens que mostram os criminosos contaminando com 768 kg de cocaína uma carga lícita de ardósia, foi condenado a 13 anos, 1 mês e 26 dias de reclusão e pagamento de 1.858 dias-multa.

André Luís Gonçalves, identificado nas filmagens que mostram o armazenamento de entorpecente em contêiner com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica, foi condenado a 9 anos e 4 meses de reclusão e pagamento de 1.399 dias-multa.

Por fim, Pedro Marques Oliveira, identificado nas filmagens que mostram o armazenamento de drogas em uma carga lícita de amianto, foi condenado a 12 anos e 8 dias de reclusão e pagamento de 1.745 dias-multa.

Todas as multas deverão ser calculadas à razão de um trigésimo do valor do salário mínimo vigente ao tempo dos fatos, segundo decisão da Justiça Federal.

Também é réu o empresário Eduardo Oliveira Cardoso, preso em Madri em 22/10/2019 (Foto AT)

Remessa de 6 toneladas de cocaína

No litoral paulista, as investigações acerca da operação começaram em Guarujá, em fevereiro de 2019. Na ocasião, o policial militar reformado Mario Márcio da Silva, de 44 anos, foi flagrado pela Polícia Federal com 1,3 tonelada de cocaína, armamento e mais de R$ 1 milhão em espécie. Ele foi condenado a 14 anos de prisão.

Em 21 celulares apreendidos pela polícia, foram encontrados vídeos nos quais os suspeitos aparecem ocultando cocaína em meio a cargas lícitas, em contêineres de navios com destino à Europa. Segundo apurado pela PF, o grupo criminoso seria responsável por uma remessa de mais de 6 toneladas de cocaína.

No Porto de Santos, apenas em 2019, 16,2 toneladas da droga foram encontradas escondidas. A maior parte da carga ilícita tinha como destino o continente europeu. No ano passado, foram 23,1 toneladas apreendidas.

Cocaína escondida em carga de tijolos

A operação deflagrada pela PF em Itajaí começou após a apreensão de 1,7 tonelada de cocaína no Porto de Antuérpia, na Bélgica, em dezembro de 2018. Posteriormente, foi constatado que a mesma quadrilha tentou enviar 558 kg da droga pelo Porto de Navegantes (SC), em abril deste ano, em meio a uma carga de tijolos.

Os criminosos fizeram uma espécie de 'parede' com a carga de tijolos, dentro dos contêineres, para camuflar a droga traficada. A prática fez com que a PF batizasse a operação de 'The Wall' (parede, em inglês).

Para a operação em Santa Catarina, foram recrutados 150 policiais para a execução das medidas. A ação contou com o apoio de servidores da Receita Federal e cães farejadores. Além da prisão dos investigados, também foram apreendidos veículos e bens dos investigados.

Fonte: G1 Santos e Região


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.