Postagem em destaque

MINISTÉRIO DO TRABALHO CONSTATA DESCASO COM A GUARDA PORTUÁRIA NO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO

  A Companhia Docas deverá comprovar medidas no sentido promover a abertura de processo seletivo para contratação de Guardas Portuários. A...

LEGISLAÇÕES

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

0

JUSTIÇA CONDENA TRÊS POR TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS APÓS FLAGRANTE NO PORTO DE SANTOS

 

Um dos homens preso sendo conduzido por um PM à sede da PF (Foto: Reprodução TV Tribuna)

Mais de 300 kg de cocaína foram apreendidos em março. Droga seria embarcada em um navio com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica.

O juiz federal Roberto Lemos dos Santos Filho, da 5ª Vara Federal de Santos, no litoral de São Paulo, condenou, na última segunda-feira (19), três pessoas ligadas ao tráfico internacional de drogas. Os réus foram presos em março deste ano, após a Polícia Militar localizar 326 kg de cocaína no Porto de Santos e identificar que eles fizeram a guarda e o transporte da droga, que seria embarcada em um navio com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica.

A condenação dos réus Wellington Fernandes da Silva, Adriano Pedro da Silva Von Weidebach e Leandro de Melo Amancio ocorreu após, no mês de março, a Polícia Militar receber uma denúncia sobre um caminhão que estaria carregado de entorpecentes. Com isso, uma equipe que estava nas imediações do terminal, realizou a abordagem do veículo suspeito na Avenida Perimetral e efetuou a prisão do motorista e de outras duas pessoas.

A Polícia Federal foi acionada e, chegando ao local, os agentes realizaram uma perícia e localizaram a cocaína, que estava escondida em 12 mochilas dentro de um contêiner. Os três homens foram conduzidos para a Delegacia da Polícia Federal em Santos, onde foram ratificadas as prisões em flagrante por tráfico internacional de drogas. Um dos presos chegou a oferecer R$ 500 mil no momento da abordagem para ser solto.

Após denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, a Justiça os condenou a 5 anos e 10 meses de reclusão e ao pagamento de 700 dias-multa, que deverão ser calculados à razão de um trigésimo do valor do salário mínimo vigente ao tempo dos fatos. Além disso, as penas privativas de liberdade deverão ser cumpridas em regime inicial fechado.

Conforme documento emitido pela Justiça Federal, os advogados de defesa dos réus alegaram falta de provas suficientes para condenação de cada um deles. Porém, o inquérito do caso apresentou imagens de câmeras de monitoramento que mostraram a movimentação dos réus, além de troca de áudios e ligações nos celulares apreendidos dos envolvidos.

"A mudança de versões pelos réus e o desalinhamento de seus depoimentos com as demais provas produzidas indicam que as alegações por eles apresentadas em Juízo tratam-se, na verdade, de tentativa de eximirem-se da culpa, minorando a eficácia dos testemunhos dos policias militares. Não merecem crédito, posto que em total descompasso com as demais provas produzidas nos autos", diz o documento emitido pela Justiça.

LEIA TAMBÉM: PM LOCALIZA 326 KG DE COCAÍNA E TRÊS PESSOAS SÃO PRESAS NO PORTO DE SANTOS

Ao G1, o advogado Rafael Fortes, que representa Wellington, afirmou que o réu é inocente e recorrerá da decisão. De acordo com Fortes, a defesa conseguiu comprovar que o condenado não praticou o crime de corrupção ativa, sendo absolvido da acusação de oferecer R$ 500 mil às autoridades policiais. Neste primeiro momento, o advogado afirma estar contente com o acolhimento da tese do pedido de tráfico privilegiado, visto que restou comprovado que Wellington é primário, ostenta bons antecedentes, não pertence a qualquer organização criminosa e não se dedica a atividades ilícitas.

"Com isso, além de haver considerável redução de pena, existem efeitos em seu benefício na execução da pena, principalmente quanto à progressão de regime", diz o advogado.

Fonte: G1 Santos e Região


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.