Postagem em destaque

GREVE DOS GUARDAS PORTUÁRIOS NO RIO É CANCELADA APÓS DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA PARA MANTER ESCALA DE TRABALHO

  Nível de Proteção do porto chegou a ser elevado para 2 No dia 14, quinta feira, o Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Portuários do...

LEGISLAÇÕES

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

0

MÁFIAS ESTRANGEIRAS E O PAPEL DA ITÁLIA

 

O fenômeno da máfia é de importância global e coloca a questão do crime organizado como uma prioridade

Compreender como as máfias se reproduzem no tempo e no espaço exige também abordar a questão de 'o que é a máfia', ou seja, identificar as fronteiras que a definem, levando em consideração a especificidade dos contextos em que está presente.

Neste quadro, por exemplo, não é inteiramente correto falar de novas máfias, ao invés de modalidades de manifestação de organizações criminosas mafiosas que se repetem ciclicamente na história (cf. Luigi Sturzo, La mafia, drama em cinco atos, Roma 1900) . 

Além disso, falar da máfia hoje, no singular, é errado e anacrônico, pelo menos tanto quanto considerar o fenômeno da máfia um problema maior ou exclusivamente italiano.

Com efeito, é um estereótipo que tanto prejudica a imagem do nosso país, mas sobretudo corre o risco de gerar uma subestimação do fenómeno criminoso, com grave perigo para o estado de direito de outras realidades nacionais e de regiões inteiras.

Mais correto, por outro lado, seria o uso do plural do termo "máfias", com a intuição de diferenciar as organizações mafiosas criminosas - em função de sua relação com um determinado território - entre nacionais (ou indígenas) e estrangeiros.

Além disso, para um quadro completo das máfias contemporâneas, é necessário levar em conta o fato de que os grupos criminosos mais poderosos hoje são transnacionais, ou seja, operam em mais de um cenário nacional.

O quadro descritivo torna-se cada vez mais complexo à medida que surgem cada vez mais novas formas de agregação criminosa que, embora se enraízem em um território, não têm com ele uma relação histórica e cultural, pois não se apresentam com personagens indígenas e. reproduzir, por outro lado, tradições criminosas de origem distante.

Ao mesmo tempo, algumas organizações criminosas historicamente presentes em um país também passam a replicar fórmulas agregativas e a utilizar métodos de relações externas característicos de grupos criminosos estrangeiros, em virtude da emulação de modelos aprendidos em contatos com essas realidades, na área. do tráfico ilícito comum, ou, mais simplesmente, através da representação dada pelos meios de comunicação .

Posto isto, se ao nível da globalidade da ameaça e da transnacionalidade do trabalho das mais modernas organizações criminosas do tipo mafioso, nenhuma discussão particular foi detectada ao longo do tempo e, de facto, há um aprofundamento crescente da máfia global geopolítica, não houve, por outro lado, uma análise das constantes e características comuns aos diversos grupos criminosos atuantes em cenários territoriais distintos e transnacionais.

E isso integra um grave erro estratégico tanto quanto marcam, tanto do ponto de vista científico quanto do ponto de vista da cooperação judiciária e policial internacional.

É um facto que as máfias italianas (Cosa Nostra, 'Ndrangheta, Camorra) são universalmente conhecidas também pela narrativa que tem marcado o sucesso de certa literatura e cinematografia.

Leonardo Sciascia pôde prever com seu famoso artigo no Corriere della Sera de 10 de janeiro de 1987 o desenvolvimento da ação dos chamados profissionais antimáfia e as consequências negativas relativas à reputação de tal abordagem para a Itália.

Deixe-me ser claro: não temos a intenção de negar ou subestimar a existência das máfias italianas e sua difusão social e econômica, que marcou fortemente a história do nosso país.

No entanto, deve-se notar que organizações mafiosas consolidadas existem e proliferam também em outros países, completamente autônomas em suas origens em relação às máfias italianas: tais são, sem dúvida, as albanesas, as russas (incluindo a Solntsevskaya Bratva), as nigerianas, as chinesas (as chamadas Tríades), as japonesas (a Yakuza, que tem sua expressão máxima no Yamaguchi Gumi), assim como as organizações criminosas da América Central e do Sul (as maras, as pandillas, o Primero Comando da Capital (PCC) e do Comando Vermelho do Brasil), os cartéis do narcotráfico como o de Sinaloa no México, os colombianos de Medellìn e Cali, etc...

O fenômeno da máfia é, portanto, de importância global e coloca a questão do crime organizado como uma prioridade para o desenvolvimento da agenda global no campo da justiça e segurança.

Nesse sentido, um dos desafios mais importantes para o jurista-diplomata é representado pela oportunidade estratégica de tornar conhecidos e exportáveis ​​os modelos regulatórios mais eficazes diante de fenômenos tão difundidos e muitas vezes caracterizados por características constantes.

E é precisamente este o terreno para o desenvolvimento da diplomacia jurídica italiana antimáfia, tanto na sua componente destinada a harmonizar os sistemas jurídicos a nível regulamentar, como na sua direcção de assistência técnica. A Itália é, de facto, o país das máfias mais famosas do mundo, mas é também o berço da antimáfia mais concreta e eficaz da história: não é por acaso que o nosso país é o destinatário de numerosos pedidos de assistência técnica, formação profissional de magistrados e policiais, desenho e organização de instituições de fiscalização, renovação dos marcos regulatórios e divulgação dos valores da legalidade. A mencionada demanda crescente, voltada para o conhecimento dos modelos anticorrupção, antimáfia e lavagem de dinheiro adotados em nosso sistema, não vem apenas de países em desenvolvimento.

E, de fato, não é estranho dizer que a UNTOC (Convenção de Palermo das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional) e seu mecanismo de revisão recentemente aprovado são inspirados em nosso sistema antimáfia; ademais, em nível global, não são raras as hipóteses de homologação dos paradigmas normativos de sistemas jurídicos importantes à nossa legislação. Por exemplo, no recente pacto contra o crime, aprovado por proposta do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, o código penal do Brasil tomou emprestado nosso artigo 416 bis do código penal com poucas adaptações.

A Itália voltou a assumir um papel de destaque graças à validade de instituições jurídicas, práticas e modelos que se caracterizam por uma força e eficiência originais e que se tornaram uma referência a nível global. 

Em conclusão, ao inverter a narrativa sobre a relação entre as máfias e a Itália, demonstrando a eficácia de nossos modelos antimáfia, por um lado podemos reduzir um hiato por vezes insuportável entre a realidade e a representação no exterior do nosso social, institucional e econômico sistema, de outra forma pode contribuir para o desenvolvimento sustentável de toda a humanidade.

No entanto, seria necessário aprofundar as características comuns das máfias modernas, estudar suas fragilidades e compartilhar estratégias e protocolos operacionais contrastantes.

É impensável, por exemplo, hoje em dia opor-se aos grupos criminosos apenas com medidas pessoais e sem recurso robusto aos confiscos: a mesma investigação criminal e preventiva, na matéria em apreço, deve sempre ser dirigida tanto ao perfil estrutural como funcional do gangues. E esta é uma característica específica do nosso sistema jurídico. O ápice do estatuto especial italiano antimáfia reside precisamente no destino social dos bens confiscados, e é neste aspecto estratégico específico que a luta contra as máfias a nível global pode e deve certamente beneficiar da experiência de nosso país.

*o autor é magistrado, assessor jurídico do Ministério das Relações Exteriores e preside o Grupo de Trabalho Anticorrupção do G20 - Imagem: créditos ph. Treccani.it

Fonte: Sintesidialettica


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.