Postagem em destaque

CONHEÇA O CÓRTEX, SISTEMA DE VIGILÂNCIA DO GOVERNO QUE INTEGRA DE PLACA DE CARRO A DADOS DE EMPREGO

  O Córtex também possui acesso em poucos segundos a diversos bancos de dados com informações sigilosas Sem alarde, o Ministério da Justiç...

LEGISLAÇÕES

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

0

POLÍCIA FRANCESA APREENDE MAIS DE UMA TONELADA DE COCAÍNA EM NAVIO QUE FEZ ESCALA NA BAHIA

 

A droga foi embarcada logo depois que o cargueiro deixou o Porto de Aratu

O organismo francês de combate ao narcotráfico Ofast tenta desvendar um misterioso embarque de 1,127 tonelada de cocaína ocorrido no Brasil em setembro, em um navio graneleiro que tinha como destino os portos de Antuérpia, na Bélgica, e Roterdã, na Holanda.

A droga não chegou a quem fez a encomenda porque o cargueiro com bandeira da Libéria foi interceptado pela polícia marítima francesa em 1° de outubro e levado para o Porto de Dunquerque, na França.

A história envolvendo o cargueiro "Trudy" daria um roteiro de filme policial. O jornal "Le Parisien" reconstituiu a investigação na quarta-feira (13) após ter tido acesso aos depoimentos da tripulação.

A embarcação transportava um carregamento de caulim, um tipo de argila muito branca usada na indústria de cerâmica e porcelana.

Quando decidiram vistoriar o navio de 180 metros de comprimento no início do mês, apesar da centena de compartimentos, os policiais franceses levaram apenas uma hora e meia para encontrar a tonelada de cocaína distribuída em 40 sacos escondidos na sala de ginástica do navio.

Vinte marinheiros de várias nacionalidades – etíopes, romenos, filipinos – foram detidos e 19 deles, indiciados na Justiça.

Durante os interrogatórios, alguns contaram que viram a droga ser embarcada logo depois que o cargueiro deixou o porto de Aratu, na Bahia.

Um maquinista fez uma descrição detalhada: "De repente, em alto mar, um grupo de seis a oito homens, vestindo macacões azuis, subiu a bordo com mochilas que entravam cheias e deixavam o navio vazias".

Esses "visitantes misteriosos" não tiveram suas identidades registradas no barco, como manda a regra, o que faz a polícia francesa acreditar que os traficantes contavam com a cumplicidade de membros da tripulação.

Um segundo evento inesperado aconteceu no navio, desta vez dentro do porto de Dunquerque. Na madrugada de domingo (10) para segunda-feira (11), um grupo de cinco a dez homens armados com bastões, falando inglês entre eles, invadiram o cargueiro e tomaram como refém a nova equipe de marinheiros que tinha sido enviada pelo armador.

Os novos tripulantes foram amarrados e violentamente agredidos. Cinco horas mais tarde, depois de vasculharem o navio, acompanhados pelo capitão, os piratas fugiram sem ser incomodados.

Se eles sabiam que a droga tinha sido apreendida, o que mais vieram buscar? Os policiais franceses estão, agora, diante de duas incógnitas: precisam descobrir que grupo de traficantes embarcou a cocaína no "Trudy", ainda no litoral brasileiro, e se havia outro produto contrabandeado no navio.

Em agosto de 2015, tripulantes desse navio estiveram envolvidos no embarque de 22 kg de cocaína, no Porto de Vila do Conde (PVC), no Pará, com destino à Bélgica.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.