Postagem em destaque

EMPRESÁRIOS SUSPEITOS DE ENVOLVIMENTO NO TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS FORAM PRESOS PELA POLÍCIA FEDERAL

  O nome dos empresários é informado na solicitação do mandado que consta na decisão judicial que autorizou a deflagração da Operação Além M...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

0

PF DEFLAGRA OPERAÇÃO CONTRA GRUPO SUSPEITO DE TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS E ARMAS



Suspeita é que drogas vinham da Bolívia para ser revendida no Brasil e em outros países usando portos brasileiros.
A Polícia Federal deflagrou na manhã da última quinta-feira (13) a “Operação Narcos”, em Santa Catarina e mais quatro estados, para combater uma organização criminosa suspeita de atuar no tráfico internacional de drogas e armas. Foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão temporária e 16 de prisão preventiva, sendo quatro contra pessoas já presas, em Balneário Camboriú, Itapema, Porto Belo e Bombinhas, no Litoral Norte, Florianópolis e Canelinha, na Grande Florianópolis, e Brusque, no Vale do Itajaí, além de Eunápolis e Porto Seguro (BA), Governador Valadares (MG), Linhares (ES) e Canoas (RS).
Sete das prisões ocorreram em Santa Catarina e duas aeronaves foram apreendidas, em Barreiras (BA) e Feira de Santana (BA), além de extratos bancários, computadores e celulares em outras cidades. Dos 17 mandados de prisão, 16 foram cumpridos. Uma pessoa estava foragida até a noite desse dia.
Segundo a investigação, o grupo utilizava aeronaves e aeródromos para trazer ao Brasil drogas vindas da Bolívia e revendê-la no país e para outros países usando portos de Santa Catarina e de outros estados. Esse grupo ainda é suspeito de estar ligado a uma organização criminosa e de contrabandear armas de calibre restrito.
“Há uma 'profissionalização' digamos assim, com divisão de tarefas, pessoal responsável pela logística de portos, outros pela parte área, outros pelo transporte terrestre. Eles se intercalam cada um na sua área, todos no mesmo grupo criminoso”, detalhou o delegado Gustavo Trevisan.
Aeronave apreendida em Barreiras (BA) — Foto: PF/Divulgação

Durante a investigação, que iniciou há cerca de um ano, foram apreendidos 10 aeronaves, além das duas apreendidas nesta quinta. Quase duas toneladas de cocaína também foram apreendidas em julho de 2019, além de armas. Suspeitos de integrar o grupo já foram presos em 2019 no Pará.
Aeronave apreendida em Barreiras (BA) — Foto: PF/Divulgação

A polícia também constatou que os principais suspeitos tinham patrimônio milionário registrado nos próprios nomes e também em nomes de laranjas. A PF pediu o bloqueio de 25 pessoas investigadas e o sequestro de oito imóveis e 19 veículos. Entre os bens apreendidos estão apartamentos em Itapema, sítio em Canelinha e dois carros de luxo.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), que acompanha a operação, os aeródromos usados no transporte de drogas ficam em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará e Amazonas. Caminhões também eram usados no transporte.
A polícia não informou as identidades dos investigados, quando os outros 10 aviões foram apreendidos, de quem seriam esses aviões, se todos mandados foram cumpridos e se algum dos mandados de prisão cumprido em Santa Catarina já era contra pessoas presas. Os suspeitos podem responder por tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa e lavagem de dinheiro.




Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.