Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

0

EMPRESÁRIO E 'EX-AMIGO DE NEYMAR' CONDENADO POR TRÁFICO DE DROGAS COLOCA TORNOZELEIRA ELETRÔNICA APÓS 'FURAR' PRISÃO DOMICILIAR

 Ex-amigo de Neymar Jr., empresário Bruno Lamego Alves foi condenado a 7 anos e 3 meses de prisão — Foto: Reprodução/Redes Sociais/g1

Bruno Lamego Alves é apontado como um dos responsáveis pelo envio de 760 kg de cocaína à Europa pelo Porto de Santos (SP)

O empresário Bruno Lamego Alves, condenado a 7 anos e 3 meses por tráfico internacional de drogas, foi obrigado a colocar uma tornozeleira eletrônica após 'furar' a prisão domicilar. Ao g1, o advogado do homem que apareceu em foto ao lado de Neymar Jr. revelou, neste sábado (10), que o contato entre os dois acabou após o período de condenação.

Preso em 2019, Lamego é apontado como um dos responsáveis pelo envio de 760 kg de cocaína à Europa pelo Porto de Santos, no litoral de São Paulo. A decisão pelo monitoramento eletrônico é da 5ª Vara Criminal do citado município, e a colocação foi feita na última sexta-feira (9). O empresário deve permanecer com a tornozeleira por pelo menos 180 dias.

Conforme relatado no documento, obtido pelo g1, Lamego tem a permissão para sair de casa apenas para trabalhar, atividade que acontece de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h30. Aos sábados, domingos e feriados ele deve permanecer recluso. Porém, no último dia 30 de julho, um sábado, um oficial de justiça constatou que ele não estava em casa.

A defesa do empresário comprovou à Justiça que, na ocasião, ele deixou a residência para ir a um hospital em Santos (SP), uma vez que estava sentindo "cefaléia [dor de cabeça] e perda de paladar". Entretanto, de acordo com o documento, o período de cerca de três horas de ausência não condiz com o deslocamento à unidade de saúde, que fica a menos de dois quilômetros da residência.

"Estamos em prazo recursal, levando ao Tribunal Regional Federal (TRF) essa discussão de que não houve uma falta grave. Na verdade, foi uma força maior. Uma causa, portanto, superveniente [acontece depois]. A pessoa estava doente, o que foi comprovado por atestado, e isso o levou a sair de casa", explicou o advogado Ricardo Ponzetto.

Bruno Lamego e Neymar Jr.

Questionado pelo g1 sobre o registro fotográfico de Bruno Lamego e Neymar Jr., o advogado do empresário comentou que houve contato e amizade entre os dois, mas que a relação teria sido rompida após a condenação.

O que existia, na verdade, é que o Bruno teve, no passado, uma convivência social [com Neymar], mas absolutamente num contexto de amizade. Na atualidade, desde o processo criminal, acho que houve até a ruptura dessa amizade.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do jogador em busca de mais detalhes sobre o assunto, mas não recebeu um retorno até a última atualização desta matéria.

Relembre o caso

O carregamento de 760 kg de cocaína foi interceptado no Porto de Santos em fevereiro de 2017, durante operação da Receita Federal, que localizou 27 bolsas com tabletes da droga em dois contêineres com fubá de milho. Ninguém foi preso na época.

Empresário preso pela PF suspeito de enviar 760 Kg de cocaína para a Europa — Foto: g1 Santos

Uma investigação foi aberta pelas autoridades federais para determinar possíveis envolvidos na ação criminosa, que foi desmantelada ainda no início. Apontado como um dos responsáveis pelo carregamento, Bruno foi localizado no apartamento dele, no bairro Aparecida, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva autorizados pela 5ª Vara Federal de Santos.

SAIBA MAIS: TRF-3 AMPLIA PENA DE EMPRESÁRIO CONDENADO POR TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS

Os investigadores identificaram que Bruno utilizou nomes fictícios para simular as negociações da compra de sacas de fubá de milho, que seriam despachadas ao Porto de Antuérpia, na Bélgica. A aquisição da mercadoria, na verdade, tinha por objetivo ocultar o carregamento de cocaína e, assim, despistar a fiscalização no cais santista.

Fonte:g1 Santos e Região


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.