Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 19 de setembro de 2023

0

PCC: TRÁFICO VIA PORTO DE SANTOS FATURA MAIS DE R$ 10 BI, CALCULA MPSP

 

Estimativa do Ministério Público de São Paulo é que PCC tenha despachado cerca de 60 toneladas de cocaína pelo Porto de Santos

Controlado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), o tráfico de cocaína para a Europa através do Porto de Santos, o maior do país, rende um faturamento anual superior a R$ 10 bilhões para a facção criminosa paulista, seus líderes e parceiros comerciais, segundo estimativa do Ministério Público de São Paulo (MPSP).

À frente de investigações sobre o PCC há quase 20 anos, o promotor Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), afirma que as seis toneladas de cocaína que a Polícia Federal (PF) apreendeu no Porto de Santos neste ano representam 10% do que os criminosos conseguem despachar anualmente em navios para o continente europeu — ou seja, 60 toneladas.

Atualmente, segundo Gakiya, o quilo da cocaína é comprado na Bolívia por, no mínimo, 1.200 dólares (R$ 5.940) e vendido do outro lado do Oceano Atlântico por 35 mil euros (R$ 186 mil), em média. Dessa forma, as 60 toneladas estimadas pelo MPSP que chegam à Europa por ano rendem ao PCC, seus líderes e parceiros, cerca de R$ 11 bilhões pela cotação atual.

O preço do quilo da cocaína, ressalta o promotor, pode variar de acordo com o país destinatário da droga. Na França, por exemplo, o quilo traficado pela facção paulista pode valer até 80 mil euros (R$ 425 mil). O tráfico internacional de drogas se tornou a principal fonte de lucro do PCC, representando dois terços do que é arrecadado pela facção, que já é considerada uma máfia internacional.

Controle do porto

O Porto de Santos é também o principal ponto de envio de cocaína para a Europa. Da cidade do litoral paulista, partem cerca de 60% de toda a cocaína despachada do Brasil para o outro lado do Atlântico, segundo estimativas do Gaeco.

No início dos anos 2000, o PCC travou uma guerra com facções rivais, em especial o Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, para controlar o envio de droga pelos cargueiros que atracam em Santos.

Em entrevista ao Metrópoles, em agosto deste ano, o promotor Lincoln Gakiya afirmou que o controle do tráfico pelo maior porto do país assegura a hegemonia da facção paulista.

Atualmente, o PCC tem tentáculos por todo o país, na América do Sul e nos principais destinos de cocaína na Europa. “Por causa disso, em qualquer lugar do estado de São Paulo, para se vender droga, precisa ser do PCC ou ter a venda permitida pela facção”, destacou Gakiya, que foi alvo, recentemente, de um plano de execução da facção.

A presença e influência do PCC na Baixada Santista foi fortalecida após a saída de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, do sistema prisional, em 2017. Investigações do MPSP mostram que ele viajou à Bolívia e ao Paraguai para fazer conexões com fornecedores de drogas e cooptou o Porto de Santos para criar o atual modelo utilizado pela facção para envio de cocaína por navios para a Europa.

Gegê acabou se desentendendo com outras lideranças locais do PCC por causa de dinheiro e foi executado em fevereiro de 2018, juntamente com Fabiano Alves de Souza, o Paca, que também comandava a operação local.

Com a morte da dupla, Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, sócio do líder máximo da facção, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, no tráfico internacional, voltou a agir na região, ao lado de André Oliveira Macedo, o André do Rap, outra liderança notória do PCC. Ele está foragido após conseguir um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF) e figura na lista dos criminosos mais procurados pela Polícia Civil de São Paulo.

Operação Sharks

Na última terça-feira (12/9), dois suspeitos de realizar operações financeiras para o PCC foram presos em São Paulo, na segunda fase da Operação Sharks, do MPSP.

Os suspeitos, identificados como Dário Pereira Alencar e Márcio Roberto de Souza Costa, estariam envolvidos na movimentação de R$ 100 milhões para a facção nos últimos três anos.

Segundo o MPSP, eles fazem parte dos núcleos comandados pelos chefões Marcos Roberto de Almeida, o Tuta, e Odair Lopes Mazzi Junior, o Dezinho.

Um terceiro suspeito, cujo nome não foi informado, foi preso em flagrante, por porte ilegal de arma de fogo, durante o cumprimento de um dos 22 mandados de busca e apreensão na capital e na Praia Grande, cidade do litoral paulista.

Outros quatro mandados de busca foram cumpridos na Bahia. Foram apreendidos, em São Paulo e no Nordeste, documentos, celulares, computadores, roupas e 35 relógios de luxo, avaliados em R$ 2 milhões, de acordo com o promotor Lincoln Gakiya.

Na primeira fase da operação, a Promotoria constatou que criminosos enviaram R$ 1,2 bilhão, referentes ao tráfico internacional de drogas, do Brasil para o Paraguai.

Fonte: Metropolis - Por Alfredo Henrique


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

Respeitamos  quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros, informando o autor e a fonte, disponibilizando o link da origem da publicação .  Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.