Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

1

CONCURSO DA GUARDA PORTUÁRIA DA CODESA PODERÁ TER MAIS VAGAS




A Justiça poderá determinar o aumento do número de vagas.

O Sindicato da Guarda Portuária no Estado do Espírito Santo (Sindguapor) notificou, em 15 de dezembro, a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) e a Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab), responsável pela organização do concurso, para que retifique o edital em alguns pontos, mas, principalmente, que coloque expressamente a quantidade de vagas para contratação imediata.
A companhia já havia informado anteriormente na imprensa que o concurso seria para 100 vagas, no entanto, no edital consta apenas 25 vagas, número que está longe de atingir o esperado de um quadro já defasado.
Vale lembrar que a Portaria 121 da SEP no seu inciso I, art. 3º diz que a companhia deverá "fixar o efetivo necessário da guarda portuária".
O fato é que, em cumprimento a determinação da Justiça, a Codesa dispensou dos portos de Capuaba e Vitória cerca de 164 vigilantes que atuavam de forma irregular no lugar dos guardas portuários.
Entretanto, a Codesa lançou um edital para apenas 25 vagas. Ora, se saíram 164 vigilantes e tinha “caixa” para custear 164 vigilantes, por óbvio deveria ter um edital para 164 vagas, ou mais, para a Guarda Portuária. Afinal, vários guardas portuários, nos últimos anos, deixaram a empresa por aposentadoria, morte, demissão, etc, e o efetivo real necessário é bem maior que isso.
Hoje a Guarda Portuária possui um efetivo de apenas 141 guardas portuários e o número de 25 guardas portuários não resolverá o problema da categoria, que continuará trabalhando sobrecarregada para dar conta dos vários postos de trabalho, ressaltando o perigo iminente existente em cada posto (Ilha do Príncipe, em Vitória, entorno de Capuaba), todos com alto índice de criminalidade, furtos, roubos e tráfico de drogas.
Como nem a Codesa e nem a Funcab responderam a solicitação, o Sindguapor, tendo em vista a inércia tanto da Codesa quanto da Funcab, requereu a Justiça, para que a Codesa informe quantos vigilantes terceirizados foram dispensados das áreas do porto, assim como, qual seria o efetivo necessário para a Guarda Portuária hoje.

Leia Também:


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.



Um comentário:

LEGISLAÇÕES