Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 8 de novembro de 2023

0

BRASIL: EXPORTAÇÕES DE COCAÍNA DO PORTO DE SANTOS REGISTRAM RECORDE HISTÓRICO

 

O Porto de Santos movimentou em contêineres, em 2022, a marca recorde de 5 milhões de TEU – unidade equivalente a um contêiner de 20 pés –, no ano

Grupos criminosos cada vez mais usam o Porto de Santos, no estado de São Paulo, Brasil, o maior da América Latina, para enviar cocaína em rotas para a África Ocidental, revelou um novo relatório da Iniciativa Global contra o Crime Organizado Transnacional.

Segundo o relatório, as apreensões na rota comercial Brasil-África Ocidental aumentaram drasticamente de 435 kg em 2014, para mais de 27 toneladas em 2019 – um recorde histórico. O Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior organização criminosa do país, que na última década tem se dedicado a levar a droga originária da Bolívia, Colômbia e Peru para a Europa, domina o tráfico nesse porto.

O relatório afirma que o aumento do tráfico para a África Ocidental reflete uma mudança das redes criminosas brasileiras, que buscam novas rotas diante do controle maior em portos europeus. O narcotráfico no porto de Santos explora, assim, fragilidades da África Ocidental, com menor capacidade de fiscalização e mais oportunidades de corrupção e impunidade. A maior parte da droga é escondida em contêineres com carga lícita, mas também em sistemas de refrigeração e cascos de navios.

“Os grupos criminosos aproveitam-se do grande movimento de cargas nos portos e aeroportos, para esconder as drogas em mercadorias exportadas legalmente (toras de madeira, commodities, como soja, milho, minério) e tentam burlar a fiscalização. O Brasil é um dos maiores exportadores de commodities do mundo e isso faz com que a infraestrutura logística seja grande e diversificada, o que, por sua vez, facilita a circulação de produtos ilícitos. O crime aproveita a economia formal para fazer circular mercadorias ilícitas, como as drogas, e também para lavar dinheiro”, explica à Diálogo Renato Sergio de Lima, professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas e diretor do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Na movimentação de contêineres, o Porto de Santos alcançou, em 2022, a marca recorde de 5 milhões de TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) no ano. Outros grupos criminosos além do PCC também exportam drogas pelo porto, mas precisam negociar ou fazer algum tipo de parceria com os membros da facção.

“As facções brasileiras controlam o atacado e o varejo das drogas no território nacional e se articulam com grupos transnacionais, tanto na aquisição junto aos países produtores de cocaína, quanto os grupos que vão distribuir e vender as drogas fora do Brasil. As facções brasileiras funcionam como grupos quase mafiosos, que controlam fatias consideráveis do mercado de drogas no Brasil e suas conexões com o mundo”, afirma Lima.

O relatório mostra que, embora em 2018 apenas o Senegal estivesse entre os 10 principais destinos da cocaína apreendida nos portos brasileiros, Nigéria, Gana e Serra Leoa abriram caminho na lista das rotas de transbordo. Mais de 60% dos carregamentos de narcóticos originários do Brasil foram destinados ou enviados através de países da África Ocidental a caminho da Europa.

As autoridades brasileiras têm trabalhado no combate ao narcotráfico no Porto de Santos. A Receita Federal conta com serviços de fiscalizações aduaneiras diariamente e trabalha com alfândegas de diversos países e com órgãos como o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime e Interpol, que auxiliam no trabalho de inteligência e repressão, buscando não apenas a apreensão, mas também a origem do crime e a fonte de recursos das quadrilhas. Segundo o relatório, em 2021, pelo menos 24 toneladas de cocaína foram apreendidas nos portos marítimos da África Ocidental.

A Polícia Militar prendeu, em setembro de 2023, em São Vicente, litoral de São Paulo, Diego Machado de Sá, conhecido como Nariga, apontado como uma das lideranças do PCC, ligado ao tráfico internacional de cocaína para Europa e África pelo Porto de Santos. Segundo dados da Polícia Federal, retratados no relatório este ano, até maio, foram apreendidas 10,5 toneladas de cocaína nos 16 portos brasileiros, sendo 6 toneladas apenas no Porto de Santos.

“O Governo Federal anunciou, no último dia 2 de outubro, um amplo Programa de Enfrentamento das Organizações Criminosas – ENFOC –, que visa, exatamente, articular e integrar os diferentes atores e agências que podem atuar para prevenir e enfrentar o crime organizado”, informou Lima.

O programa conta com um investimento de R$ 900 milhões (mais de US$ 174 milhões), estruturado em três ciclos, de 2023 até 2026, com cinco eixos de atuação: interação institucional e informacional; eficiência dos órgãos policiais; trabalho em portos, aeroportos e fronteiras; eficiência do sistema de justiça; e cooperação entre União, estados e municípios e com órgãos estrangeiros.

“Esse plano tem umas 80 páginas e está sendo construído há três meses. Ele não é uma resposta às crises, mas ele é útil ao enfrentamento. E qual é o centro da nossa preocupação? O enfoque, a ênfase contra as organizações criminosas, a partir de um duplo pilar: inteligência e investigação”, disse o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, no lançamento do programa.

O Porto de Santos é uma das principais preocupações. O governo negocia com o Ministério de Portos e Aeroportos para definir medidas, incluindo equipamentos de alta tecnologia para detectar drogas nas cargas.

Foto: Nelson Almeida/AFP

A Polícia Federal em Santos realizou, em 13 de setembro de 2023, a incineração de cerca de 2,4 toneladas de drogas apreendidas em 2023, em sua maior parte no Porto de Santos.

Fonte: Por Nelza Oliveira - Diálogo


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

Respeitamos  quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros, informando o autor e a fonte, disponibilizando o link da origem da publicação .  Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.