Postagem em destaque

CDRJ É CONDENADA A PAGAR DANOS MORAIS POR NÃO RENOVAR O PORTE DE ARMAS DE UM GUARDA PORTUÁRIO

  O magistrado assinalou que, ao proceder assim, a CDRJ expôs a vida e a integridade física do trabalhador a risco A Companhia Docas do Ri...

LEGISLAÇÕES

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

0

GPORT DE PARANAGUÁ PASSA A CONTAR COM CÃES DE FARO NA FISCALIZAÇÃO

 

Ações pontuais tem o objetivo de combater o tráfico internacional de drogas

O Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, passa a contar com três cães de faro (um pastor alemão e duas pastoras belga malinois), de um canil terceirizado contratado, em ações envolvendo a segurança do porto.

No início do mês, os cães participaram de mais uma blitz de combate às drogas no cais público. A ação foi coordenada pela Guarda Portuária (Gport), com foco nos veículos que acessam a faixa primária, bolsas e mochilas de trabalhadores e motoristas.

A partir de agora, as vistorias acontecem de forma aleatória, sem aviso prévio, e têm o objetivo de combater o tráfico internacional de drogas. As operações se somam aos esforços da Polícia Federal (PF), que atua com frequência na área privada do Terminal de Contêineres.

“A intenção é aumentar a segurança e coibir a atividade criminosa”, explica o presidente da Autoridade Portuária, Luiz Fernando Garcia.

Especialidade em drogas

Os animais são treinados para detectar todos os tipos de entorpecentes: ecstasy, LSD, haxixe, maconha, crack e cocaína.

Segundo o major César Kamakawa, chefe da GPort, as revistas são feitas, principalmente, durante a troca de turno dos trabalhadores. “O foco é na entrada de pequenas quantidades de drogas, que se somam e podem resultar em grandes quantidades. A intenção é coibir o uso da estrutura para acesso ao Terminal de Contêineres e posterior embarque clandestino nos navios”, justifica.

Outra preocupação é com o uso pessoal de entorpecentes, que afeta diretamente a segurança na faixa primária. “Se a quantidade constatada for para uso, o encaminhamento é feito para a Polícia Militar (PM). Caso configure tráfico internacional, acionamos a PF e Receita Federal do Brasil (RFB), por se tratar de área alfandegada”, destaca o coordenador de Informações, Eduardo Domanski dos Santos.

As operações com cães farejadores começaram no final de 2021 e se tornaram permanentes neste ano.

Utilização de cães pela GPort não é novidade

A utilização de cães de faro pela Gport não é novidade nos portos brasileiros, no Porto de Santos, no litoral de São Paulo, os cães são utilizados em blitz, abordagens, busca em navios e vistoria de bagagens no Terminal de Passageiros de Santos.

A atuação foi elogiada pela Receita Federal e Polícia Federal. Além de combater o crime e o tráfico de drogas, o Canil participa de ações sociais com crianças e idosos.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário.