Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

quinta-feira, 2 de março de 2023

0

MP PORTUGUÊS DENUNCIA 18 ALIADOS DE 'ESCOBAR BRASILEIRO' POR NARCOTRÁFICO

 

Sérgio Roberto de Carvalho

Empresário é apontado pela Justiça portuguesa como o braço direito na Europa do Major Carvalho conhecido como o "Escobar brasileiro"

O empresário português Ruben Alexandre Vieira Oliveira, 39, o Xuxas, viajou quatro vezes para o Brasil para negociar a importação de toneladas de cocaína para a Europa antes de ser preso pela Polícia Judiciária de Portugal, em 27 de junho do ano passado.

No último dia 14 de fevereiro, o Ministério Público de Portugal denunciou ele e outros 17 comparsas ligados ao Major Carvalho pelos crimes de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. Entre os acusados, 16 são portugueses, um é angolano e outro indiano.

Xuxas era apontado pela Justiça portuguesa como o braço direito na Europa do ex-major da PM de Mato Grosso do Sul, Sérgio Roberto de Carvalho, 64, conhecido como Major Carvalho e "Escobar brasileiro".

As datas das viagens de Xuxas ao Brasil: 28 de janeiro de 2019; 9 de dezembro de 2019; 4 de setembro de 2020; 11 de janeiro de 2021.

O Major Carvalho foi preso em Budapeste, na Hungria, seis dias antes de Xuxas. O "Escobar brasileiro" é acusado de coordenado a exportação de 45 toneladas de cocaína para a Europa, avaliadas em R$ 2,25 bilhões entre 2017 e 2022. O governo brasileiro já pediu a extradição dele.

Também no dia 14, o Major Carvalho foi alvo de novo mandado de prisão. Ele é acusado de ser o dono de 350 kg de cocaína escondidos em chapas de granito em Cachoeira do Itapemirim (ES) em outubro de 2021 e de 892 kg da droga apreendidos no Porto de Santos, em abril de 2022.

Segundo o Ministério Público português, Xuxas era o líder da quadrilha de Carvalho na Europa. As investigações apontaram que o empresário fundou uma organização criminosa para importar grandes quantidades de cocaína da América do Sul.

Considerado o "padrinho do tráfico", Xuxas tem tatuado no corpo imagens de dois barões mundiais da droga: Pablo Escobar, fundador do Cartel de Medellín, na Colômbia, e Joaquin Guzman, ex-chefe do Cartel de Sinaloa, no México.

Xuxas mantinha estreita relação com o "Escobar brasileiro". O empresário português também tinha a missão de contratar narcotraficantes em outros países e ainda era o responsável pela quantidade de droga a ser exportada e pelos locais de destino da cocaína.

Condenação e bloqueio de bens

Os comparsas dele começaram a integrar a organização criminosa no início de 2020. Dércio Vieira de Oliveira, 31, irmão de Xuxas, também foi cooptado pela quadrilha e recrutou um comparsa para prestar serviço ao bando no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Também foram integrados ao grupo criminoso o estivador Paulo Miguel da Silva Campos Joaquim, 50, do Porto de Setúbal, e Luís Miguel Gomes Gonçalves, 40, que mantinha contato com alguns funcionários do Porto de Leixões.

Segundo o Ministério Público português, o empresário indiano Gusvinder Singh, 32, era proprietário da Happy Selection Unipessoal Ltda e contava com a ajuda de uma empresa de frutas do Brasil para importar a cocaína escondida em meio às cargas lícitas.

Os nomes de dois sócios da empresa de frutas constam na acusação feita pelo Ministério Público português. Ambos são brasileiros. Eles criaram a companhia em 5 de março de 2020 e viajaram para Portugal no mesmo ano, entre 28 de fevereiro e 21 de março.

A Procuradoria da República de Portugal pediu à Justiça daquele país a condenação dos 18 comparsas do "Escobar brasileiro" e também o bloqueio dos bens de todos os envolvidos no esquema.

A reportagem não conseguiu contato com os advogados de Xuxas, Dércio, Paulo Miguel e Luís Miguel, mas publicará a versão dos defensores deles na íntegra, caso haja uma manifestação.

Autor/Fonte: Josmar Jozino – Site UOL


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.