Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

segunda-feira, 9 de outubro de 2023

0

MIL DIAS DRIBLANDO AS POLÍCIAS: FUGA DE ANDRÉ DO RAP COMPLETA TRÊS ANOS


Nos meios policiais há comentários de que André do Rap já veio várias vezes para o Brasil, de helicóptero, principalmente para a Baixada Santista

Quando tomava banho de sol com os presos mais perigosos da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP) — todos integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) —, o narcotraficante André Oliveira Macedo, 46, o André do Rap, cansou de dizer que antes do Natal de 2020 estaria livre.

E foi exatamente o que aconteceu no dia 10 de outubro daquele ano. André do Rap passou mesmo as festas de fim de ano bem longe das grades. Antes de sair pela porta da frente do presídio, ele foi de cela em cela no pavilhão 1 da unidade e se despediu dos prisioneiros. Os comparsas o ovacionaram.

O traficante internacional de drogas, acusado de mandar toneladas de cocaína para a Europa via porto de Santos e condenado a 15 anos e seis meses, vestia calça e camisa brancas. Câmeras de segurança da penitenciária registraram os momentos da despedida dele.

O criminoso estava preso desde 14 de setembro de 2019, quando foi capturado em uma mansão em Angra dos Reis, litoral sul fluminense, por policiais civis do Rio de Janeiro e São Paulo. Ele ficou na cadeia quase por 13 meses.

André do Rap foi solto graças a um habeas corpus concedido pelo então ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello. Poucas horas depois de sair em liberdade, o ministro Luís Fux, também da Suprema Corte, cassou o alvará de soltura.

Mas já era tarde. O narcotraficante deixou a cidade de Presidente Venceslau e seguiu em direção ao Paraná. Começou a enganar as autoridades logo na saída da prisão, pois ao assinar o documento de soltura, mencionou como endereço a rua Júlio Inácio de Freitas, 1, Vicente de Carvalho, Guarujá (SP).

Desde aquela manhã de 10 de outubro de 2020, André do Rap vem driblando e humilhando as forças policiais. A fuga dele vai completar três anos na próxima semana. O nome do narcotraficante foi incluído até na lista de foragidos da Interpol, a Polícia Internacional.

Nos meios policiais há comentários de que André do Rap já veio várias vezes para o Brasil, de helicóptero, principalmente para a Baixada Santista, participar de festas e de aniversários de parentes e amigos ligados ao PCC. Ele completou 46 anos na última terça-feira (3).

Bens milionários devolvidos

No Brasil, há três mandados de prisão contra ele pendentes de cumprimento. Dois deles — no TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e 5ª Vara Federal de Santos) — são por tráfico internacional de drogas. Já na 3ª Câmara Criminal do Rio de Janeiro ele responde a processo por lavagem de dinheiro.

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), subordinado ao MP-SP (Ministério Público do estado de São Paulo), acredita que André do Rap esteja foragido na Colômbia ou na Bolívia e que continua atuando na exportação de cocaína para a Europa.

Promotores de Justiça afirmam que o criminoso tem ligações com o PCC e a máfia italiana Ndrangheta. Em abril deste ano, a Justiça mandou devolver ao criminoso um helicóptero de R$ 7,2 milhões, uma embarcação de R$ 5,2 milhões, dois luxuosos imóveis em Angra, um Porsche, quatro jet-skis, quatro computadores e 33 aparelhos de telefone celular.

Os bens tinham sido apreendidos e bloqueados durante a prisão dele em setembro de 2019 em uma das mansões na costa verde fluminense. No entendimento da 6ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça), houve ilegalidade na ação de policiais civis de São Paulo que o prenderam.

Anderson Domingues e Áureo Tupinambá, advogados de André Oliveira Macedo, ressaltam que "no momento oportuno a inocência do cliente será devidamente comprovada, sendo certo que os processos continuam em andamento nos tribunais superiores".

Os defensores afirmam ainda que "no mesmo sentido serão demonstradas as nulidades ocorridas na Operação Oversea", que investigou André do Rap por narcotráfico. Os advogados sustentam também que "o cliente não tem qualquer sentença condenatória definitiva em seu desfavor".

Fonte: JosmarJozino - Colunista do UOL


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

Respeitamos  quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros, informando o autor e a fonte, disponibilizando o link da origem da publicação .  Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos. Caso não tenha conta no Google, entre como anônimo mas se identique no final do seu comentário e insira o seu e-mail.